China cresce 6,9% em pior resultado desde 2009

As autoridades chinesas atribuíram este rebaixamento no crescimento às "crescentes pressões de baixa" que enfrenta internamente o gigante asiático e a uma recuperação da economia global "mais frágil do que a esperada"; no trimestre que vai de julho a setembro, a economia da China aumentou seu arrefecimento e avançou a um ritmo menor do que o esperado pelo governo, que para este ano tinha traçado como objetivo que o Produto Interno Bruto (PIB) crescesse ao redor de 7% (o número que se alcançou durante a primeira metade de 2015)

As autoridades chinesas atribuíram este rebaixamento no crescimento às "crescentes pressões de baixa" que enfrenta internamente o gigante asiático e a uma recuperação da economia global "mais frágil do que a esperada"; no trimestre que vai de julho a setembro, a economia da China aumentou seu arrefecimento e avançou a um ritmo menor do que o esperado pelo governo, que para este ano tinha traçado como objetivo que o Produto Interno Bruto (PIB) crescesse ao redor de 7% (o número que se alcançou durante a primeira metade de 2015)
As autoridades chinesas atribuíram este rebaixamento no crescimento às "crescentes pressões de baixa" que enfrenta internamente o gigante asiático e a uma recuperação da economia global "mais frágil do que a esperada"; no trimestre que vai de julho a setembro, a economia da China aumentou seu arrefecimento e avançou a um ritmo menor do que o esperado pelo governo, que para este ano tinha traçado como objetivo que o Produto Interno Bruto (PIB) crescesse ao redor de 7% (o número que se alcançou durante a primeira metade de 2015) (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Lusa

A economia chinesa registrou, no terceiro trimestre deste ano, o mais baixo crescimento desde o pico da crise financeira internacional (6,9%), mas dentro da meta do governo chinês para 2015, "cerca de 7%".

Entre junho e setembro, o Produto Interno Bruto chinês aumentou para 48,78 biliões de yuan (6,75 bilhões de euros), anunciou hoje (19) o Gabinete Nacional de Estatísticas da China.

A queda é 0,1%, em relação à taxa registrada no trimestre anterior, acrescentou o gabinete.

Segunda maior economia do mundo, depois dos Estados Unidos, a China tem sido o motor da recuperação global desde a crise financeira de 2008.

A desaceleração econômica do país coincide com um período de grande volatilidade na Bolsa de Xangai, o principal mercado financeiro da China, que desde meados de junho registrou desvalorização de 35%.

Nos primeiros nove meses do ano, as importações chinesas caíram 15,1%, para 7,63 mil milhões de yuan (a moeda chinesa), enquanto as exportações baixaram 1,8%, para 10,24 mil milhões de yuan.

Em agosto, a moeda chinesa desvalorizou sucessivamente 1,9%, 1,6% e 1,1% em relação ao dólar norte-americano, na maior queda do gênero desde 1994.

A média deste trimestre coincide, contudo, com a meta preconizada pelo governo chinês para o conjunto do ano, "cerca de 7%", o valor mais baixo dos últimos 25 anos.

A China passa por uma transição no modelo de crescimento, com maior ênfase no consumo doméstico, em detrimento das exportações e investimentos, que asseguraram três décadas de forte, mas "insustentável", crescimento econômico.

Desde o início do século 21, até 2011, a economia chinesa cresceu sempre acima de 8% ao ano. Em 2007, chegou a 13%.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email