Com desemprego recorde, Temer vê Brasil nos trilhos

Mesmo com o país ostentando pelo menos quatro recordes negativos entre os Brics, o presidente disse neste domingo (16), na cúpula com mandatários de Rússia, Índia, China e Africa do Sul, em Goa, que o Brasil está no caminho certo; a interpretação do chefe de Estado brasileiro, no entanto, entra em rota de colisão com a realidade do futuro do economia nacional; além do desemprego histórico de 11,2%, o Brasil detém atualmente alguns dos piores indicadores do grupo; tem a maior retração do PIB em 2015 (3,8%), a maior taxa básica de juros (14,25% ao ano) e a maior inflação acumulada em 12 meses (8,48%); a verdade é que o Brasil tem puxado fortemente os Brics para o buraco

Mesmo com o país ostentando pelo menos quatro recordes negativos entre os Brics, o presidente disse neste domingo (16), na cúpula com mandatários de Rússia, Índia, China e Africa do Sul, em Goa, que o Brasil está no caminho certo; a interpretação do chefe de Estado brasileiro, no entanto, entra em rota de colisão com a realidade do futuro do economia nacional; além do desemprego histórico de 11,2%, o Brasil detém atualmente alguns dos piores indicadores do grupo; tem a maior retração do PIB em 2015 (3,8%), a maior taxa básica de juros (14,25% ao ano) e a maior inflação acumulada em 12 meses (8,48%); a verdade é que o Brasil tem puxado fortemente os Brics para o buraco
Mesmo com o país ostentando pelo menos quatro recordes negativos entre os Brics, o presidente disse neste domingo (16), na cúpula com mandatários de Rússia, Índia, China e Africa do Sul, em Goa, que o Brasil está no caminho certo; a interpretação do chefe de Estado brasileiro, no entanto, entra em rota de colisão com a realidade do futuro do economia nacional; além do desemprego histórico de 11,2%, o Brasil detém atualmente alguns dos piores indicadores do grupo; tem a maior retração do PIB em 2015 (3,8%), a maior taxa básica de juros (14,25% ao ano) e a maior inflação acumulada em 12 meses (8,48%); a verdade é que o Brasil tem puxado fortemente os Brics para o buraco (Foto: Realle Palazzo-Martini)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mesmo o Brasil ostentando pelo menos quatro recordes negativos entre os Brics, o presidente Michel Temer disse neste domingo (16), em Goa, na Índia, que o país “começa a entrar nos trilhos”. Em discurso para chefes de Estado e de Governo de Rússia, Índia, China e África do Sul, ele ressaltou que as previsões para a economia brasileira em 2017 melhoraram e que o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima o fim da recessão e a volta do crescimento econômico no próximo ano.

O discurso de Temer se choca com a realidade. O desemprego no país é o mais elevado da história recente, com taxa de 11,2% e a segunda entre os Brics, atrás da África do Sul. O Brasil detém atualmente alguns dos piores indicadores do grupo . Lidera pelo menos quatro rankings indesejados: a maior retração do PIB em 2015, 3,8%; a maior taxa básica de juros, 14,25% ao ano; a maior inflação acumulada em 12 meses, 8,48%.

A realidade é que o Brasil tem puxado os Brics para baixo. A dívida pública brasileira foi também a que mais cresceu em relação ao PIB no passado recente. De 2013 a 2015, saltou 14,54 pontos percentuais. Agora, divide a liderança com a Índia.

Mas Temer tenta vender uma imagem de otimismo aos parceiros. “Já é possível verificar positiva reversão de expectativas, com decidida elevação nos níveis de confiança dos agentes econômicos”, disse.

Temer começou o discurso dizendo que o mundo ainda se recupera da crise financeira global. “Já diante do primeiro impacto da crise, o Brics afirmou-se como esteio da reforma da governança financeira internacional. Consolidaram-se como fonte de dinamismo e como atores essenciais para a retomada da atividade econômica”, declarou. Temer ainda ressaltou que é preciso resistir à tentação do protecionismo entre os países: “Há muito que podemos fazer para garantir mais comércio, mais crescimento e mais prosperidade.”

O presidente citou a responsabilidade fiscal foi citada pelo presidente como um dever maior e tarefa urgente do governo para conter a crise: “É dever maior porque, sem ela, põem-se em risco os avanços sociais do Brasil. É tarefa urgente porque o desarranjo das contas públicas é a causa-mor da crise que enfrentamos.”

Para o presidente, a superação da crise econômica brasileira está desenhada e passa pela aprovação da PEC 241, que impõe um limite aos gastos públicos.“Será a combinação da responsabilidade fiscal com a responsabilidade social. Promoveremos sim, o ajuste das contas públicas. Estamos estabelecendo um teto de gastos, que será inscrito na própria Constituição”, ressaltou.

O presidente também disse que enviará em breve ao Congresso a proposta de reforma do sistema de Previdência Social.”Queremos uma seguridade social que elimine privilégios e possa servir a todos, no médio e no longo prazo. Queremos preservar a saúde fiscal do Estado, condição para o bem-estar de cada um dos brasileiros”, acrescentou.

Durante o discurso, Michel Temer destacou que os ajustes no programa de concessões à iniciativa privada estimularão a criação de empregos. “O Brasil está promovendo novo modelo de parcerias com o setor privado para gerar empregos e aprimorar sua infraestrutura. Estamos articulando modelo previsível e seguro, que oferece as mais variadas oportunidades de investimento em portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, exploração de petróleo e gás, entre outras áreas”, declarou. Segundo ele, a responsabilidade social passa pela criação de empregos.

Como um dos principais desafios da atualidade, o presidente citou o combate ao terrorismo. “Nenhuma pessoa ou lugar está imune a esse flagelo”, disse. “Só venceremos esse mal por meio da cooperação.”

Com informações da Agência Brasil

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247