Com possível vitória de democrata no estado da Geórgia, nos EUA, dólar atinge nível mais baixo em três anos

A vitória de Jon Ossoff para o Senado consolidaria um cenário onde o poder legislativo e executivo seriam controlados pelos democratas, o que seria positivo para o crescimento econômico global

(Foto: Ben Gray/Pool via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - Com a possível a vitória do candidato democrata Jon Ossoff para o Senado dos EUA no estado da Geórgia, o dólar atingiu seu nível mais baixo em quase três anos, com uma queda de 0,2% no dia. As ações na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês) também apresentaram queda de 2%, de acordo com a Reuters.

Nesta terça-feira (5), Raphael Warnock, também candidato pelo Partido Democrata, se elegeu no estado. Sendo assim, o Senado ficará dividido igualmente, entregando para a vice-presidente eleita democrata, Kamala Harris, o voto decisivo. Os resultados da Geórgia darão aos democratas o controle do Senado, da Câmara e da Casa Branca.

Para analistas de economia, o Senado comandado pelos democratas seria positivo para o crescimento econômico global e para a maioria dos ativos mais arriscados, porém, seria negativo para os títulos e para o dólar, à medida que o orçamento dos EUA e os deficits comerciais aumentam progressivamente.

"O padrão de reação segue as linhas do que esperávamos originalmente se tivéssemos visto um cenário de onda azul na eleição [presidencial dos EUA] original de novembro. Ainda é um ambiente muito difícil para fazer estímulos e legislações, mas é muito mais possível do que se não houvesse maioria para os democratas", disse o chefe de estratégia de câmbio do Banco Saxo, John Hardy, citado pela Reuters.

Os democratas já têm maioria na Câmara dos Representantes e, se levarem também o Senado, abrirão caminho para Joe Biden aprovar leis e projetos no Congresso sem a resistência dos senadores republicanos, que atualmente têm maioria na Casa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email