Confiança do setor de serviços cai pela segunda vez consecutiva

Índice de Confiança de Serviços, medido pela FGV, recuou 0,2 ponto de março para abril deste ano, atingindo 91,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Esse foi o segundo recuo consecutivo do indicador; queda da confiança atingiu empresários de nove das 13 atividades pesquisadas pela FGV

Garçom carrega bandeja de pratos em restaurante de Porto Alegre, Rio Grande do Sul 18/06/2014 REUTERS/Marko Djurica
Garçom carrega bandeja de pratos em restaurante de Porto Alegre, Rio Grande do Sul 18/06/2014 REUTERS/Marko Djurica (Foto: Paulo Emílio)

Vitor Abdala, repórter da Agência Brasil - O Índice de Confiança de Serviços, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 0,2 ponto de março para abril deste ano, atingindo 91,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. Esse foi o segundo recuo consecutivo do indicador.

A queda da confiança atingiu empresários de nove das 13 atividades pesquisadas pela FGV. A contribuição veio do Índice de Expectativas, que avalia a opinião dos empresários em relação ao futuro, com recuo de 0,8 ponto. O componente que mede a tendência dos negócios para o futuro caiu 4,5 pontos.

Já o Índice da Situação Atual, que avalia a opinião em relação ao momento presente, avançou 0,4 ponto, influenciado pelo grau de satisfação com o volume da demanda atual, que cresceu 1,5 pontos.

O indicador de Tendência dos negócios caiu 4,5 pontos. Já o Índice da Situação Atual (ISA-S) avançou 0,4 ponto em abril, para 87,2 pontos, impulsionado pelo indicador que mede o grau de satisfação com o volume de demanda atual, que avançou 1,5 ponto no mês, para 86,0 pontos.

De acordo com a FGV, a queda é influenciada pelas incertezas no campo político, que levaram os empresários a avaliar negativamente a evolução do ambiente de negócios nos próximos seis meses. O processo eleitoral, segundo a FGV, contribui para "a maior volatilidade das expectativas".

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247