Copom diz que não há espaço para redução de juros

Ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), aponta que choques temporários de oferta de alimentos figuram como um dos motivos que fazem com que a inflação ainda mostre resistência; como a inflação ainda permanece alta, Copom reiterou que não há espaço para redução da taxa básica de juros, a Selic, e manteve a taxa Selic em 14,25% ao ano, pela sétima vez seguida; Selic é o principal instrumento do BC para manter a inflação sob controle

Ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), aponta que choques temporários de oferta de alimentos figuram como um dos motivos que fazem com que a inflação ainda mostre resistência; como a inflação ainda permanece alta, Copom reiterou que não há espaço para redução da taxa básica de juros, a Selic, e manteve a taxa Selic em 14,25% ao ano, pela sétima vez seguida; Selic é o principal instrumento do BC para manter a inflação sob controle
Ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), aponta que choques temporários de oferta de alimentos figuram como um dos motivos que fazem com que a inflação ainda mostre resistência; como a inflação ainda permanece alta, Copom reiterou que não há espaço para redução da taxa básica de juros, a Selic, e manteve a taxa Selic em 14,25% ao ano, pela sétima vez seguida; Selic é o principal instrumento do BC para manter a inflação sob controle (Foto: Paulo Emílio)

Kelly Oliveira, repórter da Agência Brasil - Choques temporários de oferta de alimentos figuram como um dos motivos que fazem com que a inflação ainda mostre resistência. A avaliação consta da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada hoje (16).

Outro motivo apontado pelo BC para a inflação permanecer alta é o reflexo do ajuste dos preços externos em relação aos internos e aos administrados em relação aos livres, ocorrido em 2015. O Copom também cita a recomposição de receitas tributárias dos governos federal e estaduais no início deste ano.

Juros básicos

Como a inflação ainda permanece alta, o Copom reiterou que não há espaço para redução da taxa básica de juros, a Selic. No último dia 8, o Copom manteve a taxa Selic em 14,25% ao ano, pela sétima vez seguida. A decisão foi unânime, na última reunião comandada por Alexandre Tombini, que deixou a presidência do BC para ser substituído por Ilan Goldfajn.

A Selic é o principal instrumento do BC para manter a inflação sob controle. O Conselho Monetário Nacional estabeleceu meta de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. A previsão de instituições financeiras é que a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), encerre este ano acima do teto da meta, em 7,19%.

Embora ajude no controle dos preços, o aumento ou a manutenção da taxa Selic em níveis elevados prejudica a economia. Isso porque os juros altos intensificam a queda na produção e no consumo. A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.

Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

Para o Copom, apesar dos avanços no combate à inflação, há incertezas relacionadas ao gradual processo de recuperação dos resultados fiscais. Acrescenta que o processo de realinhamento de preços relativos (externos em relação aos internos e administrados em relação aos livres) mostrou-se mais demorado e mais intenso que o previsto. "Adicionalmente, remanescem incertezas em relação ao comportamento da economia mundial", disse o comitê, na ata.

O Comitê reiterou, ainda, que adotará as medidas necessárias para fazer com que a inflação fique dentro do limite da meta (6,5%) este ano, e caia para 4,5% em 2017.

Preços administrados

O BC projeta que os preços administrados por contrato e monitorados terão variação de 6,8% em 2016, mesmo valor previsto na reunião do Copom de abril. Entre outros fatores, essa projeção considera reajuste médio de 19,7% nas tarifas de água e esgoto, de 13,6% nos planos de saúde e redução de 3,5% nos preços da energia elétrica. Para 2017, o Copom considerou a variação de 5% nos preços administrados, mesmo valor das três últimas reuniões.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247