Covid-19: 'Temos que ouvir área da saúde, não economistas', diz secretário do Tesouro

"Eu confesso que neste assunto temos que escutar a área da saúde, as pessoas da área de saúde são as melhores pessoas, muito mais que economistas, para dizer como isso vai evoluir", afirmou o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida
O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, declarou nesta quinta-feira (16) que a situação econômica do país diante da pandemia do coronavírus vai depender de quanto tempo irá durar o período de distanciamento social.

Ao comentar os possíveis riscos de uma profunda recessão por conta do fechamento de empresas e negócios durante o isolamento social da pandemia, o secretário do Tesouro, citado pelo G1, afirmou que "o falso dilema entre salvar vidas ou a economia não está na mesa".

"Eu tenho visto projeções na economia que me deixam assustado. Tem algumas pessoas que projetam o cenário em que a restrição de contato social terá que ser mais longo. Eu confesso que neste assunto temos que escutar a área da saúde, as pessoas da área de saúde são as melhores pessoas, muito mais que economistas, para dizer como isso vai evoluir", diz ele.

Organismos como o próprio Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem defendido o isolamento social e o fechamento do comércio como forma de contenção da pandemia da COVID-19, enquanto setores da economia, incluindo o presidente Jair Bolsanaro, que repetidamente defendeu o isolamento vertical, que abrange apenas idosos e pessoas do grupo de risco 

De acordo com Mansueto Almeida neste ano a prioridade para o Brasil não é o ajuste fiscal, mas dar recursos para o combate à pandemia do coronavirus.

"Esta é a lição para todos os países do mundo. Depois da crise, quando voltarmos a crescer, vamos economizar, fazer ajuste fiscal, para ter fôlego para ficar preparado para a próxima crise. Porque sempre haverá crises, e muitas vezes elas são imprevisíveis, como esta, em que o mundo todo está sendo colocado em 'corner' por um vírus invisível. Ninguém imaginava que a gente ia passar por isso hoje, parece um filme de ficção científica", completou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247