Cresce a confiança dos brasileiros na recuperação econômica

Depois da destruição econômica produzida pelo golpe contra a presidente Dilma Rousseff, o brasileiro está mais otimista com a economia; segundo pesquisa Datafolha, 65% acreditam que a economia deve melhorar nos próximos meses, contra 23% da pesquisa anterior, realizada em agosto de 2028; 9% acham que a economia brasileira vai piorar (contra 31%, em agosto); na percepção das finanças pessoais, pessimistas caíram de 14% para 6%

Cresce a confiança dos brasileiros na recuperação econômica
Cresce a confiança dos brasileiros na recuperação econômica (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

247 - Diferentemente do cenário político atípico, violento e polarizado, o comportamento do brasileiro no que se refere ao otimismo pré governo eleito continua o mesmo. Pesquisa Datafolha revela que o brasileiro está otimista com a economia. Segundo o instituto, 65% dos entrevistados entendem que a situação econômica do Brasil vai melhorar nos próximos meses, ante 23% do levantamento anterior, feito em agosto de 2018. Índices de otimismo econômico equivalem aos do governo Dilma, em alta popularidade antes dos protestos daquele ano".

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "neste levantamento, acham que a economia brasileira vai piorar 9% —eram 31% em agosto. Já os que acreditam em estabilidade caíram de 41% para 24%. Na avaliação das finanças pessoais, os pessimistas passaram de 14% para 6%."

Os entrevistados também demonstram otimismo com o mercado de trabalho: "a expectativa pré-Bolsonaro também é recorde, do lado positivo, quando o assunto é melhoria no mercado de trabalho. Em agosto, 19% diziam que o desemprego iria cair. Agora são 47%, o maior índice dessa série, que começa em 1995 —os pontos altos anteriores eram de 41%, em junho de 2003, março de 2013 e novembro de 2010."

No quesito inflação, o brasileiro também demonstra otimismo: "em relação à inflação, pouco abaixo de 4% em 2018 (indicador IPCA), a toada é a mesma. De agosto para cá, aqueles que creem no aumento do custo de vida passaram de 54% dos ouvidos para 27%."

E acreditam na queda de preços: "já os que dizem acreditar na queda dos preços subiram de 11% para 35%, número que iguala o recorde histórico de junho de 2003, no começo do primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (PT)."

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247