CVM registra novos processos contra a mineradora Vale

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, responsável por fiscalizar o mercado de capitais, abriu o segundo processo administrativo para apurar comunicações feitas pela mineradora Vale relativas à tragédia de Brumadinho (MG); empresa já perdeu mais de R$ 70 bilhões em valor de mercado; bloqueios e multas judiciais superam os R$ 12 bilhões

CVM registra novos processos contra a mineradora Vale
CVM registra novos processos contra a mineradora Vale
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, responsável por fiscalizar o mercado de capitais, abriu ontem (28) o segundo processo administrativo para apurar comunicações feitas pela mineradora Vale relativas à tragédia de Brumadinho (MG).

O rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora na Mina Feijão, naquele município que integra a região metropolitana de Belo Horizonte, no último dia 25, provocou a morte, até agora, de 65 pessoas. Os bombeiros estimam ainda que há em torno de 288 desaparecidos.

Na própria sexta-feira (25),a CVM abriu o primeiro processo administrativo para apurar a comunicação da Vale em fato relevante ao mercado referente à tragédia, que está sendo acompanhado pela Superintendência de Relações com Empresas (SEP) da CVM. O novo processo para apurar reclamação de investidor será acompanhado pela Superintendência de Proteção e Orientação aos Investidores (SOI) da comissão.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247