Desemprego segue em alta sob Bolsonaro

O desemprego segue em alta no governo Bolsonaro; a taxa de desocupação do país voltou a crescer e fechou o trimestre móvel encerrado em janeiro em 12%; os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e foram divulgados nesta quarta-feira (27), na avaliação do IBGE, “Ano passado houve estabilidade na população ocupada e na desocupada, enquanto, neste ano, cresceu o número de desocupados”

Desemprego segue em alta sob Bolsonaro
Desemprego segue em alta sob Bolsonaro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - A taxa de desocupação do país voltou a crescer e fechou o trimestre móvel encerrado em janeiro em 12%, resultado 0,3 ponto percentual superior aos 11,7% relativos ao trimestre encerrado em outubro do ano passado. Com a alta, a população desocupada passou a 12,7 milhões – crescimento de 2,6% (mais 318 mil pessoas) frente ao trimestre agosto a outubro de 2018.

Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e foram divulgados hoje (27), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

A subutilização da força de trabalho ficou em 24,3% no período, somando 27,5 milhões de pessoas.

O coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, expõe que este trimestre fechado em janeiro foi menos favorável que os mesmos períodos de 2018 e 2017". “Ano passado houve estabilidade na população ocupada e na desocupada, enquanto, neste ano, cresceu o número de desocupados”, expôs. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email