Desgoverno: usinas nucleares de Angra podem parar por falta de combustível

Sem combustível, as usinas nucleares Angra 1 e 2, em Angra dos Reis (RJ), podem parar em 2021 e gerar custo de R$ 1,4 bi na conta de luz dos brasileiros

Angra 1 e 2 batem recorde histórico de produção em 2011
Angra 1 e 2 batem recorde histórico de produção em 2011 (Foto: Divulgação )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Sem recursos, as usinas nucleares Angra 1 e 2, em Angra dos Reis, no litoral sul do Estado do Rio, correm o risco de serem desligadas por falta de combustível em 2021.

Segundo informações do jornal O Globo, o ministério de Minas e Energia, que solicitou verbas ao ministério da Economia, a estimativa é que o custo extra para os consumidores seria de R$ 1,4 bilhão por ano, que corresponde a um acréscimo de 5,1% no gasto total de energia dos brasileiros.

A reportagem também informa que as duas únicas usinas nucleares em funcionamento no país respondem, por ano, por 10,3% da capacidade de geração do sistema Sudeste/Centro-Oeste, segundo dados do próprio Ministério de Minas e Energia. Em 2019, juntas, as usinas de Angra produziram energia suficiente para abastecer, com sobra, o estado de Pernambuco, de acordo com informações da Eletronuclear.

A estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB), localizada em Resende, no Sul Fluminense, é a responsável pela produção de combustível necessário para gerar energia nas usinas. A empresa informou que precisa de mais R$ 314,3 milhões para a compra de matérias-primas necessárias à fabricação do combustível para a recarga anual de Angra 1 e 2

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247