Dilma amplia diálogo com PT e defende Levy

Jornalista Kennedy Alencar informa que a presidente Dilma Rousseff decidiu participar do Congresso do PT em Fortaleza, sexta e sábado, num sinal concreto de que ampliará seu diálogo com o PT; lá, fará a defesa de Joaquim Levy, o novo ministro da Fazenda, e defenderá um "ajuste gradual"; ela também levará outra mensagem ao partido, sobre a necessidade de ceder espaço a aliados

Jornalista Kennedy Alencar informa que a presidente Dilma Rousseff decidiu participar do Congresso do PT em Fortaleza, sexta e sábado, num sinal concreto de que ampliará seu diálogo com o PT; lá, fará a defesa de Joaquim Levy, o novo ministro da Fazenda, e defenderá um "ajuste gradual"; ela também levará outra mensagem ao partido, sobre a necessidade de ceder espaço a aliados
Jornalista Kennedy Alencar informa que a presidente Dilma Rousseff decidiu participar do Congresso do PT em Fortaleza, sexta e sábado, num sinal concreto de que ampliará seu diálogo com o PT; lá, fará a defesa de Joaquim Levy, o novo ministro da Fazenda, e defenderá um "ajuste gradual"; ela também levará outra mensagem ao partido, sobre a necessidade de ceder espaço a aliados (Foto: Leonardo Attuch)

247 - O jornalista Kennedy Alencar informa que a presidente Dilma Rousseff decidiu ampliar o diálogo com o PT, mas sem abrir mão de suas posições. Ela irá ao congresso do partido, em Fortaleza, onde fará a defesa de Joaquim Levy e de um ajuste na economia.

"A atitude de Dilma é evidência de disposição de realizar uma inflexão na forma de governar depois do aperto que sofreu para ser reeleita. A presidente vai deixar claro que será feito um ajuste fiscal gradual, acalmando o seu partido", diz ele. "Ou seja, virão medidas duras, mas num grau menor do que o imaginado pelo petismo. Setores da legenda têm medo de que a escolha de Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda derrube a economia ainda mais."

Dilma levará ainda uma mensagem amarga ao partido. "Também deverá dar um recado ao PT: será preciso ceder espaço a aliados na reforma ministerial do segundo mandato. Além de problemas na economia, as revelações da Operação Lava Jato exigem, na visão da presidente, maior proteção política, o que passa por melhor relação com partidos aliados nos ministérios e no Congresso."

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247