Dilma felicita OMC e prevê "crescimento e justiça"

"Ao apresentar o nome do Embaixador (Roberto) Azevêdo para esta alta função (diretor-geral da OMC), o Brasil tinha claro que, por sua experiência e compromisso, ele poderia conduzir a Organização na direção de um ordenamento econômico mundial mais dinâmico e justo", registrou a presidente Dilma Rousseff em nota oficial sobre a eleição do diplomata ao posto; "Essa mensagem foi entendida por expressiva maioria", assinalou; "Não é uma vitória do Brasil, nem de um grupo de países, mas da Organização Mundial do Comércio", finalizou a presidente; ela manifestou que à Organização caberá "nos próximos anos dar um novo, equilibrado e vigoroso impulso ao comércio mundial"; íntegra

Dilma felicita OMC e prevê "crescimento e justiça"
Dilma felicita OMC e prevê "crescimento e justiça"

247 - Em nota divulgada nesta terça-feira, a presidente Dilma Rousseff disse ter recebido com satisfação a escolha embaixador Roberto Azevêdo para assumir a diretoria-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). Dilma destacou a experiência e o compromisso do embaixador, que, segundo ela, foi escolhido com o objetivo de criar as condições para um ordenamento econômico mundial mais dinâmico e justo.

Confira a íntegra da nota:

O Governo brasileiro recebe com satisfação a escolha do Embaixador Roberto Azevêdo para Diretor-Geral da Organização Mundial do Comércio.

Ainda sofrendo os efeitos da crise mundial iniciada em 2008, caberá à OMC nos próximos anos dar um novo, equilibrado e vigoroso impulso ao comercio mundial, fundamental para que a economia global entre em novo período de crescimento e justiça social.

Ao apresentar o nome do Embaixador Azevêdo para esta alta função, o Brasil tinha claro que, por sua experiência e compromisso, ele poderia conduzir a Organização na direção de um ordenamento econômico mundial mais dinâmico e justo.

Essa mensagem foi entendida por expressiva maioria e, por esta razão, agradeço o apoio que nosso candidato recebeu de Governos de todo o mundo nas três rodadas de votação. Essa não é uma vitória do Brasil, nem de um grupo de países, mas da Organização Mundial do Comércio.

Dilma Rousseff
Presidenta da República Federativa do Brasil

Repercussão

O ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel também celebrou a escolha do embaixador brasileiro Roberto Azevêdo para assumir a diretoria-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) e disse que a eleição do brasileiro é "boa para o Brasil e melhor para a OMC". Segundo o ministro, o governo brasileiro trabalhou para a escolha de Azevêdo por considerá-lo o melhor candidato, mas sua eleição não deve facilitar as negociações comerciais do País. "É bom para a imagem do País, que sempre trabalhou segundo as regras da OMC, e é melhor ainda para a Organização, por ter um excelente secretário-geral", comentou.

Roberto Azevêdo ocupa desde 2008 o cargo de Representante Permanente do Brasil na OMC, enquanto Hermínio Blanco, que disputava o cargo com ele, é economista e ex-ministro de Comércio e Indústria do México. Qualquer dos dois que fosse o candidato escolhido seria o primeiro latino americano a dirigir a entidade. Azevêdo tomará posse em 31 de agosto, em substituição do francês Pascal Lamy. 

O presidente da Vale, Murilo Ferreira, também comentou e celebrou a nomeação. "A OMC vai ganhar com a presença de uma pessoa com personalidade de tamanha relevância", disse Ferreira, em entrevista durante evento em São Paulo. Para o presidente da Vale, a escolha mostra que o País "tem todas as condições de ser um ativo participante nas decisões do comércio internacional".

Confiança

A eleição de Azevêdo representa a confiança da comunidade internacional no Brasil, diz a especialista em comércio exterior Marília Castañon Pena Valle, ex-coordenadora-geral do Departamento de Defesa Comercial, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Para Marília Valle, a vitória do brasileiro deve ser observada como resultado de uma atuação "séria e correta".

"É muito importante o significado para o Brasil do embaixador Azevêdo [na direção-geral da OMC]. É o primeiro latino-americano, brasileiro, e que tem uma longa trajetória nas negociações comerciais internacionais", destacou. "Ele terá pela frente um grande desafio: destravar as negociações que estão paralisadas, principalmente devido às crises econômicas."

Para a especialista, o desafio maior é dar continuidade à Rodada de Doha – cujas negociações, iniciadas no início dos anos 2000 com o objetivo de construir um amplo acordo de liberalização do comércio, não apresentam resultados há cerca de dez anos. "Certamente o largo conhecimento do embaixador Azevêdo vai contribuir muito nesse processo", disse ela.

Segundo Maríla Valle, o perfil do Brasil também deve ser considerado como positivo. "O Brasil tem um perfil exportador, mas também tem um viés importador. A posição brasileira, nas negociações, sempre foi de equilíbrio, o que garantiu ao país a credibilidade que tem hoje", ressaltou.

A especialista participou de várias articulações relativas aos processos antidumping, subsídios e salvaguardas. Ela foi negociadora do governo brasileiro na OMC - nas ações referentes aos códigos de dumping, subsídios e medidas compensatória e de salvaguardas.

Com Agência Brasil e Blog do Planalto

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247