Dólar bate máxima histórica pela terceira vez seguida e fecha em R$ 4,39

A moeda dos Estados Unidos avançou globalmente em meio a dúvidas relacionadas aos números chineses sobre o coronavírus e dados fortes dos EUA, evidenciando uma aversão a risco

(Foto: Foto: Reuters)

Infomoney - O dólar subiu pela quarta vez consecutiva nesta quinta-feira (20) e bateu máxima histórica nominal de fechamento pela terceira vez seguida. O câmbio terminou o pregão com alta de 0,59% a R$ 4,3909 na compra e a R$ 4,3916 na venda. O dólar futuro para março subiu 0,58% a R$ 4,3915.

A moeda dos Estados Unidos avançou globalmente em meio a dúvidas relacionadas aos números chineses sobre o coronavírus e dados fortes dos EUA, evidenciando uma aversão a risco. O dollar index atingiu máxima desde setembro. A busca por ativos seguros não se limitou à moeda americana. O ouro atingiu seu maior nível em sete anos, com relatos de que mais empresas além da Apple estão sendo impactadas pelo surto do vírus.

No mercado de ações, o Ibovespa acelerou queda à tarde acompanhando o exterior depois de um recuo súbito nos índices americanos no início da tarde. As informações do coronavírus ofuscaram a mudança na política monetária chinesa.

Ontem, o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) reduziu a taxa de juros do país em 10 pontos-base, de 4,15% para 4,05% ao ano.

Todavia, a Comissão Nacional de Saúde do país informou que mais 114 pessoas morreram no surto, elevando para 2.118 o número de óbitos na China continental, enquanto o número de pacientes contaminados está em 74.576 casos.

O Japão, por sua vez, informou que dois passageiros contaminados no cruzeiro Diamond Princess morreram. A Coreia do Sul confirmou hoje a primeira morte pelo vírus, batizado de Covid-19, no país, informa a agência Yonhap.

O Ibovespa fechou em baixa de 1,66%, aos 114.586 pontos, com volume financeiro negociado de R$ 25,458 bilhões.

Já entre os juros futuros, o contrato com vencimento em janeiro de 2022 terminou em alta de quatro pontos-base, a 4,72%, enquanto o de vencimento em janeiro de 2023 ganhou seis pontos a 5,29%. O DI para janeiro de 2025 subiu 10 pontos-base a 6,07%.

Por aqui, o Banco Central reduziu a alíquota do recolhimento do compulsório sobre depósitos a prazo de 31% para 25%, o que deve acarretar em uma liberação de R$ 49 bilhões a partir de 16 de março.

A outra medida foi o aumento da parcela dos recolhimentos compulsórios considerados no LCR (Indicador de Liquidez de Curto Prazo), o que significa uma redução estimada em outros R$ 86 bilhões na necessidade de as instituições carregarem outros ativos líquidos de alta qualidade (High Quality Liquid Assets – HQLA) necessários para o cumprimento do LCR.

Entre os indicadores, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,22% em fevereiro na comparação mensal, informou nesta quinta-feira (20) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado foi o menor para o mês desde o início do Plano Real (1994).

O resultado ficou praticamente em linha com a estimativa de avanço de 0,23%, segundo estimativa mediana em pesquisa Bloomberg, depois de ter avançado 0,71% na medição anterior.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247