Dólar fecha em leve alta e Bolsa em queda em dia de Reforma da Previdência

Moeda americana chega a R$ 4,18, enquanto o Ibovespa fechou em queda nesta terça-feira, com ações de bancos entre as maiores pressões de baixa no primeiro pregão de outubro

Bolsa de Valores de São Paulo.
Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em leve alta ante o real nesta terça-feira, primeira sessão do mês e do último trimestre do ano, com o mercado de câmbio influenciado por um dia de forma geral negativo para ativos de risco, após dados nos Estados Unidos reforçarem temores de recessão na maior economia do mundo.

O dólar à vista subiu 0,17%, a 4,1624 reais na venda.

Na B3, o contrato de dólar futuro de maior liquidez tinha alta de 0,14%, a 4,1670 reais.

Mas o dólar no Brasil teve desempenho mais modesto do que em outras praças emergentes, com investidores citando o andamento da reforma da Previdência no Senado como fator para algum alívio ao câmbio nesta sessão.

Segue a expectativa pela votação, em primeiro turno, da reforma no Senado ainda para esta terça. A votação em segundo turno é esperada para a próxima semana. Mais cedo, a CCJ do Senado aprovou o parecer do relator da reforma da Previdência, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), sobre as emendas de plenário apresentadas ao texto e concluiu a análise da proposta.

Com isso, o dólar subiu menos aqui do que no exterior. A moeda saltava 1,2% ante a lira turca e o rand sul-africano no fim da tarde, na esteira da saída de investidores de ativos considerados mais arriscados. Pelo mesmo motivo, as bolsas de valores dos EUA caíram mais de 1%.

Estrategistas do Rabobank revisaram estimativa para o dólar de 3,80 reais para 3,90 reais ao fim de 2019 e 2020. Segundo os profissionais, apesar da “falta de visibilidade por ora”, a saúde do balanço de pagamentos, pressões inflacionárias muito limitadas e novos progressos na agenda de reformas ajudarão o Brasil a se manter no grupo de economias emergentes “mais resilientes”.

“Esse é outro e forte argumento para se esperar alguma queda na taxa do dólar”, afirmaram estrategistas em nota.

Índice fecha em queda contaminado por declínio em Wall Street; bancos pesam

O Ibovespa fechou em queda nesta terça-feira, com ações de bancos entre as maiores pressões de baixa no primeiro pregão de outubro, tendo de pano de fundo um viés negativo em Wall Street por preocupações com a saúde da economia norte-americana.

O índice de referência do mercado acionário brasileiro caiu 0,78%, a 103.925,74 pontos, de acordo com dados preliminares. Tal declínio vem após alta acumulada de 3,57% em setembro, que elevou o ganho em 2019 para 19,18%.

O volume financeiro do pregão era de 12,3 bilhões de reais.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247