Economia é escancarada ao exterior sem nenhuma proteção ao país, diz Pochmann

Professor de Economia da Unicamp, Marcio Pochmann diz que com recessão, a Lava Jato e Michel Temer, empresas nacionais colocaram ativos à venda para o capital internacional; "O recente anúncio de privatização do setor produtivo estatal pelo governo Temer demonstra muito mais o despreparo e desespero para atrair recursos externos numa economia frágil pela força da recessão", diz Pochmann

Professor de Economia da Unicamp, Marcio Pochmann diz que com recessão, a Lava Jato e Michel Temer, empresas nacionais colocaram ativos à venda para o capital internacional; "O recente anúncio de privatização do setor produtivo estatal pelo governo Temer demonstra muito mais o despreparo e desespero para atrair recursos externos numa economia frágil pela força da recessão", diz Pochmann
Professor de Economia da Unicamp, Marcio Pochmann diz que com recessão, a Lava Jato e Michel Temer, empresas nacionais colocaram ativos à venda para o capital internacional; "O recente anúncio de privatização do setor produtivo estatal pelo governo Temer demonstra muito mais o despreparo e desespero para atrair recursos externos numa economia frágil pela força da recessão", diz Pochmann (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Marcio Pochmann, na RBA - Sob o governo Temer, a entrega do Brasil tornou-se contínua, e o ingresso de investimentos estrangeiros volta-se fundamentalmente à compra de ativos nacionais, públicos e privados. É a terceira vez que a economia nacional se abre ao exterior, e mais uma vez sem nenhuma estratégia prévia de desenvolvimento, conforme observado anteriormente.

A primeira onda de internacionalização da economia brasileira desde a Revolução de 1930 transcorreu na segunda metade da década de 1950, em conformidade com o Plano de Metas de JK (1956–1961). Com o grande fluxo de ingresso do capital estrangeiro, o país avançou significativamente a sua industrialização, através da instalação de grandes grupos econômicos inicialmente europeus e, posteriormente, estadunidenses.

Diante da coordenação do Estado, os investimentos externos se combinaram à soma dos recursos internos derivados do capital privado nacional e estatal. Assim a industrial automobilística, por exemplo, se instalou sem trazer a sua autopeça, uma vez que esta seria ocupada por empresas de capital nacional, enquanto outros componentes industriais seriam ofertados por empresas estatais (siderurgias).

A segunda onda de internacionalização foi uma marca dos anos de 1990, com o ingresso do Brasil na globalização. Com as reformas neoliberais em concomitância com a estabilização monetária do Plano Real, a economia nacional registrou 2,3 mil operações de fusões e transações de empresas, sendo 61% de responsabilidade do capital estrangeiro.

A aquisição de grande quantidade de empresas nacionais por estrangeiras não significou expansão da capacidade de produção, uma vez que parte considerável dos investimentos voltou-se fundamentalmente apenas para a troca de ativos de um grupo econômico para outro. Ou seja, certo ingresso passivo e subordinado do Brasil na globalização.

Nos anos 2000, o país experimentou experiência inédita, com importante ação de empresas nacionais no desenvolvimento de suas atividades no exterior para diversos setores (como bebidas, alimentação, construção civil, vestuário, bancos, ferramentas entre outros). Na primeira década deste século, a internacionalização de grandes empresas brasileiras alcançou a 17 países, enquanto entre 2010 e 2015, o crescimento foi de 50%, passando para 27 países no mundo.

Com a recessão, a Operação Lava Jato e as operações desconstitutivas do governo Temer, diversos grupos brasileiros passaram a colocar seus ativos à venda. Somente o movimento de fusões e aquisições cresceu 73,6% no primeiro semestre de 2017.

Neste contexto, se expande no Brasil a terceira onda de internacionalização deslocada de qualquer estratégia de desenvolvimento. O recente anúncio de privatização do setor produtivo estatal pelo governo Temer demonstra muito mais o despreparo e desespero para atrair recursos externos numa economia frágil pela força da recessão.

A queda na taxa de investimento agregado não é ainda maior devido ao ingresso de recursos estrangeiros que se aproximam de um quinto da Formação Bruta de Capital Fixo (FBKF). Com as possibilidades de aquisição de terras, a internacionalização dos ativos nacionais ganha ainda mais atratividade, tornando o Brasil o país dos grandes negócios desatrelados do bem-estar de sua população.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247