Efeito Temer: informalidade derruba consumo e ameaça PIB

O aumento da informalidade no mercado de trabalho —impulsionada pela reforma trabalhista— derrubou a renda dos brasileiros; sem carteira assinada, as famílias não têm confiança para voltar a consumir, o que deve comprometer o resultado do PIB brasileiro; segundo especialistas, a renda média dos sem carteira e de pequenos empreendedores é de metade da renda dos formais, já descontada a inflação; com Michel Temer, em 2017, foram criadas 1,8 milhão de vagas— todas no setor informal; com carteira, 685 mil vagas foram perdidas; consumo atingiu o pico da série histórica entre 2011 e 2014, no governo Dilma Rousseff, quando a proporção de trabalhadores com carteira assinada na população ocupada também esteve no teto histórico, ao redor de 45%

Efeito Temer: informalidade derruba consumo e ameaça PIB
Efeito Temer: informalidade derruba consumo e ameaça PIB
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A "recuperação" do mercado de trabalho puxada pelo emprego informal, sem carteira assinada, não dá segurança para as famílias voltarem a consumir com força e pode comprometer a retomada.

Para especialistas, a conclusão se ancora no cruzamento de dados. Em 2017, foram criadas 1,8 milhão de vagas— todas no setor informal. Com carteira, 685 mil vagas foram perdidas.

Também conta a renda média dos sem carteira e de pequenos empreendedores, metade da renda dos formais, já descontada a inflação.

Estudo da consultoria de Affonso Celso Pastore, ex-presidente do Banco Central, busca entender por que projeções de consumo vinham negligenciando esse efeito.

A equipe de Pastore considera revisar a projeção de crescimento para 2018, ainda em 3%. A expectativa é que fique próxima de 2,5%.

O melhor comportamento do varejo em 2017, avalia-se hoje, pode ter sido provocado pela liberação de R$ 44 bilhões do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), pois parte foi para compras.

O sinal de alerta veio com o desempenho pífio do consumo das famílias nos últimos três meses do ano. Com 65% do PIB (Produto Interno Bruto), o consumo determina o que ocorre na economia.

As informações são de reportagem de Flavia Lima na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247