Em meio ao feirão do pré-sal, Petrobras mantém proposta de reajuste salarial de 1,73%

Petrobras, que vem entregando o pré-sal às multinacionais a preço de banana, informou que apresentou às entidades sindicais proposta para concluir a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho, mantendo a oferta de reajuste salarial de 1,73%; nova proposta garante também vigência de dois anos para o Acordo Coletivo de Trabalho, assegurando o reajuste de 2018 de acordo com a inflação; nesta sexta-feira, sindicatos convocaram trabalhadores para mobilizações contra a "retirada de direitos" implementada pelo governo Michel Temer

Homem caminha em frente a sede da Petrobras no Rio de Janeiro 13/4/2017 REUTERS/Ricardo Moraes
Homem caminha em frente a sede da Petrobras no Rio de Janeiro 13/4/2017 REUTERS/Ricardo Moraes (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A Petrobras informou nesta sexta-feira que apresentou às entidades sindicais proposta para concluir a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho, mantendo a oferta de reajuste salarial de 1,73 por cento.

A nova proposta, acrescentou a Petrobras, garante também vigência de dois anos para o Acordo Coletivo de Trabalho, assegurando o reajuste de 2018 de acordo com a inflação.

"A expectativa da companhia é que as negociações do ACT 2017 estejam concluídas o quanto antes, já que o atual acordo teve sua vigência prorrogada até 30/11", disse em nota.

Em relação às horas extras, a companhia melhorou a proposta para uma remuneração em 75 por cento naquilo que a empresa atualmente remunera em 100 por cento, um percentual que está acima do que prevê a legislação, disse a empresa. Antes, havia proposto remuneração das horas extras em 50 por cento.

A empresa, porém, manteve a opção de redução de jornada de trabalho com redução proporcional de remuneração, incluindo a possibilidade de os empregados que atuam no regime administrativo flexível ou fixo optarem pela redução de cinco para quatro dias trabalhados por semana.

A redução opcional de jornada de 8 para 6 horas continuará sendo oferecida aos trabalhadores do regime administrativo com horário flexível, segundo a companhia.

Nesta sexta-feira, sindicatos convocaram trabalhadores para mobilizações contra o que chamam de "retirada de direitos" implementada pelo atual governo.

Por Roberto Samora

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247