Empresários já se dão conta de que a "pinguela" pode cair

Quase sete meses após Michel Temer assumir o comando do país, a crise econômica e política parece longe do fim; no setor privado, já se avalia que o substituto de Dilma Rousseff não dará conta do recado; mesmo entre figurões do mercado financeiro, reduto que rendeu maior entusiasmo ao presidente até aqui, diz-se que o “inferno astral” está em curso; "Ou Temer vira um Itamar Franco, ou vira um Sarney, ou uma Dilma. FHC não tem mais chance de ser”, resume a análise de uma influente corretora; a dúvida sobre Temer não é sem motivo: a economia, durante seu governo, não deu qualquer sinal de reação; há recessão e desemprego crescentes; a "pinguela", como Temer é chamado por FHC, pode não resistir muito tempo

Presidente Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 22/09/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 22/09/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Valter Lima)

247 - Quase sete meses após Michel Temer assumir o comando do país, a crise econômica e política parece longe do fim. No setor privado, já se avalia que o substituto de Dilma Rousseff não dará conta do recado. Mesmo entre figurões do mercado financeiro, reduto que rendeu maior entusiasmo ao presidente até aqui, diz-se que o “inferno astral” está em curso, segundo informa a coluna Painel.

“Ou Temer vira um Itamar Franco, ou vira um Sarney, ou uma Dilma. FHC não tem mais chance de ser”, resume a análise de uma influente corretora. A dúvida sobre Temer não é sem motivo. A economia, durante seu governo, não deu qualquer sinal de reação. Ao contrário disso, há recessão e desemprego crescentes.

A dupla Michel Temer e Henrique Meirelles colocou a economia brasileira numa era glacial. Por isso, cresce o pessimismo dos vários analistas do mercado para o País em 2017. O mercado prevê um crescimento modesto de 1% do PIB para o próximo ano, previsão que pode ser reduzida, após a divulgação de dados mais fracos que o esperado referentes ao terceiro trimestre. A situação do emprego é uma das mais preocupantes, com taxa de 11,8% no terceiro trimestre - em outubro foram fechadas mais de 74 mil vagas formais. Todos os setores da economia operam em queda (aqui).

O mercado diante de tudo isso se divide sobre como o PSDB deve se comportar. Parte defende que a sigla entre de cabeça para tentar salvar o governo. Outro grupo, no entanto, recomenda que o PSDB fique quão longe puder do Planalto para não se contaminar com o desgaste. Neste último grupo, há quem avalie que uma "tempestade perfeita", com Temer cassado pelo TSE, coloca os tucanos na presidência do país - tanto é que o nome do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso passou a ser ventilado como opção numa eleição indireta.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247