Entenda por que a tese de risco-Lula é tão ridícula

Já pensou ter tudo isso de volta: crescimento médio do PIB de 4,0% ao ano, inflação controlada e dentro das metas estabelecidas pelo Banco Central, criação de duas dezenas de milhões de empregos, Brasil atingindo pela primeira vez na história a condição de "investment grade", valorização de 503% nas ações da Bolsa de Valores em 8 anos; leia os pontos listados por Diogo Costa

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista à Reuters na cidade de Penedo, no Alagoas 23/08/2017 REUTERS/Paulo Whitaker
O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista à Reuters na cidade de Penedo, no Alagoas 23/08/2017 REUTERS/Paulo Whitaker (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Diogo Costa, em seu facebook

Um risco terrível

Já pensou ter tudo isso de volta e muito mais?

1. Crescimento médio do PIB de 4,0% ao ano

2. Crescimento médio da taxa de investimento (Formação Bruta de Capital Fixo) de 6,3% ao ano

3. Inflação controlada e dentro das metas estabelecidas pelo Banco Central

4. Criação de duas dezenas de milhões de empregos

5. Brasil atingindo pela primeira vez na história a condição de "investment grade"

6. Pagamento integral de absolutamente todas as dívidas do país com o FMI e o Clube de Paris

7. Reconhecimento internacional e participação destacada em todos os fóruns

8. Desenvolvimento social com distribuição de renda e diminuição das desigualdades sociais e regionais

9. Valorização de 503% nas ações da Bolsa de Valores em 8 anos

10. Democracia e liberdades públicas respeitadas

Esses 10 pontos citados - se poderia citar mais de uma centena - demonstram o que foi atingido no Brasil nos 8 anos de governo de Luiz Inácio Lula da Silva (que saiu em 2010 com 87% de aprovação popular).

Como se vê, de forma nítida e cristalina e sem margem para dúvidas, a volta do Lula é de fato um "risco terrível".

Para quem, não se sabe; para o povo brasileiro é que não é.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247