Equador é o 3º país a proibir obras públicas com a Odebrecht

A Justiça do Equador proibiu instituições públicas do país de firmar contratos com a Odebrecht; medida, de caráter preventivo, valerá pelo menos durante as investigações do Ministério Público local sobre esquema de corrupção envolvendo a empreiteira e o governo equatoriano; com a decisão, o Equador é o terceiro país a adotar sanções contra a Odebrecht e pode dificultar o cenário de recuperação financeira do grupo; na semana passada, Panamá e Peru também anunciaram medidas contra a empreiteira brasileira

Sede Odebrecht
Sede Odebrecht (Foto: Giuliana Miranda)

247 - A Justiça do Equador proibiu instituições públicas do país de firmar contratos com a Odebrecht. A medida, de caráter preventivo, valerá pelo menos durante as investigações do Ministério Público local sobre esquema de corrupção envolvendo a empreiteira e o governo equatoriano. Com a decisão, o Equador é o terceiro país a adotar sanções contra a Odebrecht e pode dificultar o cenário de recuperação financeira do grupo. Na semana passada, Panamá e Peru também anunciaram medidas contra a empreiteira brasileira. 

As informações são do Estado e S.Paulo. 

"Para se ter uma dimensão da importância dos contratos internacionais da empresa, as obras no exterior representam 80% do faturamento da construtora, que responde por um terço do faturamento total do grupo.

Segundo pessoas ligadas à empresa, a Odebrecht foi pega de surpresa com o grau de detalhamento do documento divulgado pelo Departamento de Justiça americano (DoJ), quando foi fechado o acordo de leniência com os Estados Unidos. A divulgação da lista dos 12 países delatados pela Odebrecht e detalhamento dos pagamentos de propina teria atrapalhado a estratégia que era a de avisar os governos e fechar acordos de colaboração antes que os assuntos viessem à tona. No Equador, por exemplo, o relatório dizia que a construtora é suspeita de pagar US$ 33,5 milhões em propinas, entre 2007 e 2016, para obter contratos de US$ 116 milhões.

A estratégia, no entanto, não mudou e a ideia é fazer acordos específicos com os países. No Peru, onde as investigações sobre corrupção em contratos com empreiteiras brasileiras estão avançadas, as conversas também já estariam adiantadas."

Ao vivo na TV 247 Youtube 247