Era Temer: 143 mil voltam ao Bolsa Família e 525 mil estão na fila

O fracasso da política econômica e o desemprego recorde provocados por Michel Temer levaram mais de 143 mil famílias retornaram ao Bolsa Família neste ano; a fila de espera também cresceu; ela chegou a estar zerada nos meses de janeiro e fevereiro, mas aumentou gradualmente e atingiu 525 mil famílias; Mesmo com a procura elevada, a quantidade de benefícios do bolsa caiu; em julho, 12,7 milhões de famílias foram atendidas. No fim de 2016, esse número era de 13,57 milhões

O fracasso da política econômica e o desemprego recorde provocados por Michel Temer levaram mais de 143 mil famílias retornaram ao Bolsa Família neste ano; a fila de espera também cresceu; ela chegou a estar zerada nos meses de janeiro e fevereiro, mas aumentou gradualmente e atingiu 525 mil famílias; Mesmo com a procura elevada, a quantidade de benefícios do bolsa caiu; em julho, 12,7 milhões de famílias foram atendidas. No fim de 2016, esse número era de 13,57 milhões
O fracasso da política econômica e o desemprego recorde provocados por Michel Temer levaram mais de 143 mil famílias retornaram ao Bolsa Família neste ano; a fila de espera também cresceu; ela chegou a estar zerada nos meses de janeiro e fevereiro, mas aumentou gradualmente e atingiu 525 mil famílias; Mesmo com a procura elevada, a quantidade de benefícios do bolsa caiu; em julho, 12,7 milhões de famílias foram atendidas. No fim de 2016, esse número era de 13,57 milhões (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mais de 143 mil famílias retornaram ao Bolsa Família neste ano devido ao aumento da taxa de desemprego provocado pela forte crise econômica que se instalou no país, comandado por Michel Temer.

A fila de espera também cresceu. Ela chegou a estar zerada nos meses de janeiro e fevereiro, mas aumentou gradualmente e atingiu 525 mil famílias. O ministro do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Osmar Terra, informou que pretende acabar com a espera ainda em agosto. Mesmo com a restrição orçamentária do governo federal, o ministério teria orçamento suficiente para atender esse público.

Em entrevista ao Valor, o secretário-executivo do ministério, Alberto Beltrame, explicou que a piora da economia fez com que muitas famílias retornassem ao bolsa. Recentemente, os indicadores do mercado de trabalho vêm dando sinais de melhora, mas ainda não estão sendo captados. Dado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que, no segundo trimestre, a taxa de desemprego atingiu 13%. O nível de desocupação foi menor do que aquele registrado no primeiro trimestre, de 13,7%, mas ficou 1,7 ponto percentual acima da taxa apurada entre abril e junho de 2016 (11,3%).

Das 143.866 famílias que retornaram ao programa neste ano, 20.458 estão no Estado de São Paulo; 16.781 na Bahia; 13.258 em Minas Gerais; 11.973 em Pernambuco. Os dados estão mais baixos do que os apurados em 2015 e 2016. "Muitos que tinham o Bolsa conseguiram, de certa forma, se emancipar, mas em função da piora da economia eles voltaram a ficar dependentes do bolsa porque perderam o emprego", contou o secretário-executivo. Ele lembrou que, de 2013 para 2014, 104.704 famílias que retornaram ao Bolsa. Esse valor, com a deterioração da economia, saltou para 423.668 em 2015 e chegou ao patamar recorde de 519.568 no ano passado.

As informações são de reportagem de Edna Simão no Valor.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247