Ex-presidente da Eletrobrás contesta entrega da Petrobrás no governo Bolsonaro

Em artigo, o físico Luiz Pinguelli Rosa diz que todas as grandes petroleiras globais estão preservando suas atividades de refino, ao contrário da estatal brasileira, que decidiu vender suas refinarias

Luiz Pinguelli Rosa
Luiz Pinguelli Rosa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ex-presidente da Eletrobrás e Doutor em física, Luiz Pinguelli Rosa afirma que, após a aprovação da venda de refinarias sem aval do Congresso, conforme determinou o Supremo Tribunal Federal, "a grande mídia noticiou o fato como vitória da Petrobrás, o que confunde a opinião pública, pois a atual gestão da estatal indicada por Bolsonaro é ideologicamente contrária aos interesses nacionais, os quais incluem atender a demanda interna de derivados a preços justos, bem como desenvolver a exploração, a produção e a tecnologia, incluindo os biocombustíveis. Não basta dar lucro para os acionistas, em particular os norte-americanos".

"À parte o interesse nacional, que cabe à gestão da estatal defender, o próprio interesse da empresa energética está em jogo", escreve o ex-dirigente em sua coluna publicada no jornal Folha de S.Paulo

De acordo com o Pinguelli Rosa, "a posição das maiores empresas petrolíferas do mundo é de possuir uma grande capacidade de refino, maior até que a de produção". 

"A razão é simples: o preço internacional do barril do petróleo varia muito. Nos últimos anos foi de US$ 100 a US$ 20; logo, a margem de lucro na sua produção tem uma variação difícil de prever. Entre 2015 e 2016, o lucro líquido da Petrobras no refino foi maior do que na exploração e produção (E&P)", disse. 

"Já em 2017, a situação se inverteu. A verticalização, englobando 'upstream' (E&P) e 'downstream', que inclui refino, transporte e distribuição, permite equilibrar o lucro da empresa", continuou. "A privatização da Petrobras parece mais um caso de jabuticaba brasileira". 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247