FMI alerta que dívida global já chega a US$ 182 trilhões, um novo recorde

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, informou nesta segunda-feira que a dívida global bateu um novo recorde, chegando a US$ 182 trilhões; "A dívida global - tanto pública quanto privada - bateu um recorde histórico de US$ 182 trilhões, quase 60% acima da registrada em 2007", detalhou Lagarde na sede do FMI, em Washington

FMI alerta que dívida global já chega a US$ 182 trilhões, um novo recorde
FMI alerta que dívida global já chega a US$ 182 trilhões, um novo recorde (Foto: Joshua Roberts - Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência EFE - A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, informou nesta segunda-feira que a dívida global bateu um novo recorde, chegando a US$ 182 trilhões.

"A dívida global - tanto pública quanto privada - bateu um recorde histórico de US$ 182 trilhões, quase 60% acima da registrada em 2007", detalhou Lagarde em discurso na sede do FMI, em Washington.

A diretora do FMI explicou que depois de uma década de condições financeiras "relativamente fáceis", os níveis da dívida alcançaram novos níveis máximos em economias avançadas, emergentes e em países com baixa renda.

Este cenário, segundo Lagarde, deixou os governos e as empresas de diversas partes do mundo "mais vulneráveis" em relação a um endurecimento dessas condições financeiras.

"As economias emergentes e em desenvolvimento já estão sentindo a pressão e se ajustam à normalização monetária no mundo avançado", comentou.

Lagarde alertou que esse processo de ajuste "pode ser ainda mais desafiador" se acelerado de maneira inesperada, o que pode causar correções dos mercados, fortes mudanças das taxas de câmbio e um maior enfraquecimento dos fluxos de capital.

De acordo com as estimativas do FMI, as economias emergentes - excluindo a China - podem enfrentar potencialmente uma dívida de até US$ 100 bilhões.

A diretora do FMI ressaltou que a análise do órgão demonstra que os países com mais experiência na flexibilidade das taxas de câmbio apresentaram menos perdas de produtividade depois da crise financeira global.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247