Gabas: igualar trabalhador rural ao urbano é um absurdo

"O nosso sistema de aposentadoria é muito amplo. Nós temos que lembrar que o Brasil é um país extremamente desigual regionalmente, economicamente e socialmente", lembra o ex-ministro da Previdência Social do governo Dilma Rousseff, Carlos Eduardo Gabas; segundo ele, "é um absurdo" a reforma da Previdência do governo Michel Temer igualar o trabalhador rural e o urbano, colocando os dois com contribuição obrigatório de no mínimo 25 anos e idade mínima de 65 anos, inclusive para a mulher; assista

carlos eduardo gabas
carlos eduardo gabas (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro da Previdência Social do governo Dilma Rousseff, Carlos Eduardo Gabas, comentou nesta sexta-feira 10, em um vídeo publicado na página do senador Humberto Costa (PT-PE) no Facebook, a reforma da Previdência do governo Michel Temer.

"O nosso sistema de aposentadoria é muito amplo. Nós temos que lembrar que o Brasil é um país extremamente desigual regionalmente, economicamente e socialmente", observa o ex-ministro.

Segundo ele, é "um absurdo" as novas regras igualarem o trabalhador rural com o da cidade. "Hoje o trabalhador rural precisa comprovar que teve produção na terra pelo menos durante 15 anos - o homem, aos 60 anos de idade e a mulher, aos 55 anos de idade, porque as condições no campo são muito diferentes da cidade", explica Gabas.

"A reforma muda isso, iguala o trabalhador do campo ao trabalhador urbano, exigindo que ele contribua pelo menos 25 anos todo mês, tenha 65 anos de idade, o homem e a mulher. Isso é um absurdo para o campo", acrescenta.

Gabas acrescenta ainda que o fator 85/95, em voga atualmente, tem o objetivo de proteger o trabalhador que começou mais cedo, tem menos qualificação profissional e menores salários. Esse cálculo passaria hoje para 114 anos, diz ele - com a soma do tempo de contribuição e a idade, considerando os 49 anos necessários para se aposentar integralmente. "Temos que rediscutir isso", ressalta.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247