Giraffas afasta diretor que disse que trabalhadores devem ter medo de perder empregos durante a pandemia

“Alexandre Guerra é meu filho e fez gravações de vídeos que nós não concordamos e pedimos que não fossem conectadas ou vinculadas ao Giraffas", afirma o empresário Carlos Guerra, fundador e CEO da empresa

(Foto: Divulgação)

247 - O Conselho de Administração da rede de comida fast-food Giraffas decidiu afastar Alexandre Guerra da direção da rede, depois do vídeo em que o empresário diz que empregados "que estão numa boa" no home office devem ter medo de perder o emprego à meio à pandemia de coronavírus. 

Segundo o jornalista Vicente Nunes, colunista do Correio Braziliense, Alexandre detém 1% das ações do Giraffas e é filho do fundador da empresa. "Desde o início desta semana, o comando da empresa vinha sendo pressionado a afastá-lo, sob o risco de uma onda de boicote prejudicar de vez a empresa, que já sente o baque do fechamento de lojas para conter a disseminação da Covid-19", diz o jornalista. 

As declarações de Alexandre Guerra, chocaram até o pai dele, Carlos, que gravou um vídeo para desautorizar o filho. Segundo ele, ninguém é autorizado a ser porta-voz do Giraffas e dar declarações em nome deles. “Neste momento, só eu estou autorizado.”

“Alexandre Guerra é meu filho e fez gravações de vídeos que nós não concordamos e pedimos que não fossem conectadas ou vinculadas ao Giraffas. Infelizmente, por motivos óbvios, isso aconteceu”, explica Carlos, em vídeo publicado no site Metrópoles.

No vídeo divulgado nas redes sociais, o empresário Alexandre Guerra critica o custo das medidas de confinamento para economia e alerta trabalhadores. "Você que é funcionário, que talvez esteja em casa numa boa, já se deu conta de que ao invés de estar com medo de pegar este vírus, você deveria também estar com medo de perder o emprego?" (leia mais no Brasil 247).

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247