Golpe e Lava Jato deixaram brasileiros16% mais pobres

Recessão que se seguiu ao golpe parlamentar que depôs a presidente Dilma Rousseff e as dificuldades das grandes empresas resultantes dos danos econômicos gerados pela Operação Lava Jato fizeram com que a renda do trabalhador brasileiro encolhesse mais de 16% nos últimos cinco anos, segundo o IBGE

247 - A recessão que se seguiu ao golpe parlamentar que depôs a presidente Dilma Rousseff e as dificuldades das grandes empresas resultantes dos danos econômicos gerados pela Operação Lava Jato fizeram com que a renda do trabalhador brasileiro encolhesse mais de 16% nos últimos cinco anos. Segundo uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos nove setores da iniciativa privada que foram avaliados, cinco registraram queda no rendimento real do assalariado. 

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o levantamento aponta que no período compreendido entre o primeiro trimestre de 2014 e os primeiros três meses deste exercício, os trabalhadores ligados ao setor de alojamento, alimentação, construção e transporte foram os que registraram as maiores perdas, que variam de 7,2% a 16,3%, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios Contínua (PNAD-Contínua). Ainda de acordo com o estudo, os trabalhadores da agricultura e do setor público foram os que tiveram os maiores ganhos reais, de 5,2% e 7,5%, respetivamente. 

Além da queda no rendimento real, os trabalhadores brasileiros vêm sofrendo com o índice elevado do desemprego, que chegou a 12,5% no trimestre encerrado em abril deste ano, contra 12% no trimestre anterior. O índice corresponde a cerca de 13,2 milhões de desempregados, alta de 4,4% sobre o trimestre anterior, quando, segundo o IBGE, haviam 12,6 milhões de pessoas à procura de emprego. Outros 28,4 milhões de trabalhadores foram considerados subutilizados no Brasil no trimestre encerrado em abril, número recorde na história do país (leia no Brasil 247). 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247