Governo Bolsonaro estuda restringir seguro-desemprego a fim de poupar recursos para Renda Brasil

De acordo com o secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, o governo prevê o aumento da carência, ou seja, do tempo mínimo de serviço para o trabalhador ter direito ao benefício. O objetivo é retirar direitos para poupar recurso e direcioná-lo ao Renda Brasil

Waldery Rodrigues, carteira de trabalho e Jair Bolsonaro
Waldery Rodrigues, carteira de trabalho e Jair Bolsonaro (Foto: PR | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo Jair Bolsonaro está avaliando mudanças no seguro-desemprego com o objetivo de poupar dinheiro e direcioná-lo ao programa Renda Brasil, que ainda não foi implementado. 

De acordo com o secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, o estudo prevê o aumento da carência, ou seja, do tempo mínimo de serviço para o trabalhador ter direito ao benefício. Outra é a redução no número de parcelas a serem pagas.

Pelas regras atuais, o primeiro pedido pode ser feito após 12 meses de trabalho, e o seguro é dividido entre três e cinco parcelas.

"Estamos olhando a carência ou o número de parcelas. São itens mais importantes e adequados para a análise. [...] Se estender [a carência] para 15 meses, 20 meses, 24 meses, a despesa com seguro-desemprego também é reduzida", declarou Waldery Rodrigues ao portal G1.

O dirigente havia confirmado que, para sobrar mais dinheiro para o Renda Brasil, o governo pretende congelar por dois anos e desvincular do reajuste do salário mínimo os benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247