Governo mantém prazo para airbag e freios ABS

Gestão de Dilma Rousseff desistiu de adiar a exigência para que todos os automóveis saiam de fábrica com mais itens de segurança, prevista para a partir de 2014; Segundo a Reuters, para amenizar um possível aumento nos preços dos veículos, reduzirá as alíquotas do Imposto de Importação sobre peças e componentes

Gestão de Dilma Rousseff desistiu de adiar a exigência para que todos os automóveis saiam de fábrica com mais itens de segurança, prevista para a partir de 2014; Segundo a Reuters, para amenizar um possível aumento nos preços dos veículos, reduzirá as alíquotas do Imposto de Importação sobre peças e componentes
Gestão de Dilma Rousseff desistiu de adiar a exigência para que todos os automóveis saiam de fábrica com mais itens de segurança, prevista para a partir de 2014; Segundo a Reuters, para amenizar um possível aumento nos preços dos veículos, reduzirá as alíquotas do Imposto de Importação sobre peças e componentes (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O governo brasileiro desistiu de adiar a aplicação da exigência para que todos os automóveis saiam de fábrica com mais itens de segurança, e reduzirá as alíquotas do Imposto de Importação sobre peças e componentes para amenizar um possível aumento nos preços dos veículos, disseram à Reuters duas fontes governamentais nesta segunda-feira.

Preocupado com uma redução na demanda por carros, o governo estava considerando adiar as normas de segurança, que obrigam as montadoras locais a colocar airbags e sistemas de freios ABS em todos os veículos novos a partir de 2014.

"Não haverá nenhum adiamento", disse um alto funcionário diretamente envolvido nas negociações e que pediu para não ser identificado.

"Grande parte do impacto (nos preços) já aconteceu este ano, o seu efeito será marginal em 2014. Vamos reduzir o Imposto de Importação a 2 por cento em peças e equipamentos relacionados. "

Outra autoridade do governo com conhecimento do assunto confirmou a decisão.

As alíquotas do Imposto de Importação de autopeças e equipamentos variam atualmente entre 14 e 18 por cento, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior.

Carros mais caros poderiam impactar as vendas num momento em que o governo da presidente Dilma Rousseff luta para alavancar a economia e reduzir a inflação, a menos de um ano antes da eleição presidencial em que é amplamente favorita para vencer.

O governo aumentou as tarifas sobre carros importados e reduziu os impostos para as montadoras locais para manter em alta um dos únicos motores restantes da indústria brasileira e que demanda grande volume de mão-de-obra.

O mercado de automóveis do Brasil tem sido chave para as maiores montadoras do mundo nos últimos anos, incluindo a italiana Fiat e a norte-americana Ford.

Essas mesmas montadoras recentemente desaceleraram a produção no Brasil devido aos altos estoques e aos sinais de demanda em queda, que aumentaram o risco de que o quarto maior mercado global de automóveis tenha sua primeira queda em vendas anuais em uma década.

A produção e as vendas de veículos no Brasil caíram 10,7 por cento e 8,3 por cento, respectivamente, em novembro ante outubro.

Atualmente, 60 por cento dos carros fabricados no Brasil tem airbags e freios ABS.

(Por Alonso Soto e Jeferson Ribeiro)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247