Governo rejeita dois nomes indicados pela CUT para o Carf

O governo Michel Temer rejeitou dois nomes indicados pela CUT para o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), ligado ao Ministério da Fazenda, atualmente comandado por Henrique Meirelles; a entidade sindicalista tem a prerrogativa de fazer duas indicações – um titular e um suplente – com o objetivo de compor o Carf; passa pelo órgão dinheiro referente a multas milionárias aplicadas pela Receita Federal

O governo Michel Temer rejeitou dois nomes indicados pela CUT para o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), ligado ao Ministério da Fazenda, atualmente comandado por Henrique Meirelles; a entidade sindicalista tem a prerrogativa de fazer duas indicações – um titular e um suplente – com o objetivo de compor o Carf; passa pelo órgão dinheiro referente a multas milionárias aplicadas pela Receita Federal
O governo Michel Temer rejeitou dois nomes indicados pela CUT para o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), ligado ao Ministério da Fazenda, atualmente comandado por Henrique Meirelles; a entidade sindicalista tem a prerrogativa de fazer duas indicações – um titular e um suplente – com o objetivo de compor o Carf; passa pelo órgão dinheiro referente a multas milionárias aplicadas pela Receita Federal (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O governo Michel Temer rejeitou dois nomes indicados pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) para o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF). A informação foi publicada nesta segunda-feira (2) pela coluna Expresso.

A entidade sindicalista tem a prerrogativa de fazer duas indicações – um titular e um suplente – com o objetivo de compor o Carf. Passa pelo órgão dinheiro referente a multas milionárias aplicadas pela Receita Federal.

O órgão foi alvo de um escândalo desmantelado pela Polícia Federal durante a operação Zelotes, que apura um esquema de manipulação no resultado de julgamentos no Carf e o suposto pagamento de propina para a edição de medidas provisórias.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247