Guedes usa "combate à corrupção" para liquidar de vez a engenharia brasileira

“Você tem que saber o que quer. Quer ter as melhores práticas, receber os maiores fluxos de investimentos e se integrar às cadeias globais de negócios? Ou queremos continuar sendo 200 milhões de trouxas servindo a seis empreiteiras e seis bancos?”, disse Paulo Guedes, em Davos, para justificar a abertura do mercado brasileiro às construtoras dos Estados Unidos

Paulo Guedes
Paulo Guedes (Foto: Alan Santos/PR)

247 - O ministro Paulo Guedes usou o lema do "combate à corrupção" para liquidar de vez com as construtoras e com a engenharia brasileira, nesta tarde em Davos, na Suíça. “O Brasil está querendo entrar para a primeira divisão de melhores práticas. Isso é um ataque frontal à corrupção e um tema importante da campanha do presidente Bolsonaro”, disse ele, ao justificar a decisão do governo brasileiro de abrir o mercado nacional de obras públicas a construtoras internacionais, especialmente dos Estados Unidos.

“Você tem que saber o que quer. Quer ter as melhores práticas, receber os maiores fluxos de investimentos e se integrar às cadeias globais de negócios? Ou queremos continuar sendo 200 milhões de trouxas servindo a seis empreiteiras e seis bancos?”, disse ele. 

Desde o início da Lava Jato, as construtoras brasileiras já demitiram mais de 200 mil funcionários e as principais empresas, como Odebrecht, OAS e Mendes Júnior, ou faliram ou entraram em recuperação judicial. Agora, Guedes acaba de dar o tiro de misericórdia na engenharia brasileira.




Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247