Guedes volta a defender criação de imposto sobre transações digitais e fala em taxar dividendos

Ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender a criação de um imposto sobre transações digitais e falou que avalia a taxação de dividendos. No final de outubro, ele disse que a ideia de um novo imposto havia sido descartada pelo governo

Ministro da Economia, Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender a criação de um imposto sobre transações digitais como forma de viabilizar a desoneração da folha de pagamento. Há cerca de duas semanas, em audiência pública no Congresso, ele havia afirmado que a criação de um imposto nos moldes da extinta CPMF estava descartado e que a ideia era alvo de críticas por parte de Jair Bolsonaro. 

“Quando nós falamos em desonerar a folha, nós precisamos encontrar uma forma de financiamento dessa desoneração. E aí falamos então no imposto, na contribuição, sobre transações, inclusive as digitais, que são as que mais crescem no país. Foi nesse sentido que consideramos essa alternativa de tributação, mas sempre com a perspectiva de que não há aumento de impostos, é uma substituição tributária”, disse Guedes, de acordo com reportagem do jornal O Globo.  

O ministro também afirmou que o projeto que está sendo elaborado pela equipe econômica prevê a taxação de , dividendos como forma de compensar uma redução da tributação sobre o lucro das empresas. 

“Não haverá aumento de imposto para quem paga imposto. Agora, quem nunca pagou, vai pagar. Então você fala: "Vai haver aumento de imposto sobre dividendos?". Vai, os impostos sobre dividendos subirão, sim. "Vai aumentar imposto sobre quem estava isento antes e nunca pagava?". Vai, se nós tributarmos as transações, quem não pagava, vai começar a pagar”, afirmou.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247