Haddad atribui colapso da economia à Lava Jato e ao golpe, mas também critica Dilma

Em artigo publicado neste sábado, Fernando Haddad diz que a Operação Lava Jato destruiu cadeias produtivas e que o golpe de 2016 não trouxe ao país uma agenda de desenvolvimento, mas também criticou a ex-presidente Dilma Rousseff por, na sua visão, enfraquecer a base fiscal do País

Fernando Haddad
Fernando Haddad (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Candidato a ser candidato a presidente da República em 2022, o ex-prefeito Fernando Haddad criticou a Lava Jato, o golpe de 2016, mas também a ex-presidente Dilma Rousseff pelo colapso da economia brasileira, em artigo publicado neste sábado. "Em 2015, uma tempestade perfeita promoveu o colapso da economia.. Em primeiro lugar, cumpre notar o desacerto da agenda adotada para estimular a economia. Fortemente influenciadas pela Fiesp, as desonerações fiscais, o Supersimples, a campanha pela redução artificial dos custos de energia etc. revelaram-se equivocadas", disse ele, na crítica a Dilma.

"Em segundo lugar, vale relembrar a atitude do PSDB", afirmou, mencionando o apoio do partido ao golpe de 2016. "Por fim, um fato sempre negligenciado pela imprensa tradicional. A destruição, pela Lava Jato, de cadeias produtivas inteiras. A experiência internacional deveria ter servido de guia para lidar com grandes empresas dirigidas por gente corrupta ou imoral", pontuou.

"Hoje, temos um governo desastroso em várias áreas —política externa, meio ambiente, ciência e tecnologia, educação etc.—, que pode comprometer a recuperação e nos condenar, por anos, a um desempenho econômico medíocre", diz ele.  

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247