Helena Chagas: Bolsonaro pode fazer estelionato eleitoral com a elite

Em comentário postado na TV 247, a colunista Helena Chagas, integrante da rede Jornalistas pela Democracia, manda um aviso à elite que apoio Jair Bolsonaro: "vem aí um estelionato eleitoral às avessas". Helena aponta já os primeiros sinais de que Bolsonaro não anda lá muito disposto a aprovar uma reforma radical da Previdência, como havia sido prometido por Paulo Guedes; vídeo

Helena Chagas: Bolsonaro pode fazer estelionato eleitoral com a elite
Helena Chagas: Bolsonaro pode fazer estelionato eleitoral com a elite

Jornalistas pela Democracia – Uma das mais experientes colunistas políticas do País, a jornalista e ex-ministra Helena Chagas, que integra a rede de Jornalistas pela Democracia, avalia que o presidente eleito Jair Bolsonaro já dá os primeiros sinais de uma propensão a trair a elite econômica que o apoiou. "Podemos ter um estelionato eleitoral às avesssas", diz ela, referindo-se à reforma da Previdência. Isso porque Bolsonaro tem demonstrado que não pretende apoiar uma reforma tão radical como vinha sendo defendido por Paulo Guedes.

Confira o comentário de Helena Chagas e apoie os Jornalistas pela Democracia:

Leia ainda reportagem da Reuters a respeito:

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que a prioridade do governo será aprovar a idade mínima para a aposentadoria, com a possibilidade de aproveitar a atual proposta que já tramita no Congresso nesse sentido, e acrescentou que pretende que o restante da reforma da Previdência comece a ser votado em até seis meses.

“Não adianta apresentar uma boa proposta e ela acabar ficando na Câmara o no Senado, é o pior dos quadros possíveis. O grande problema nosso, o que mais interessa no primeiro momento, é idade mínima, então vamos começar come essa, depois apresentar outras propostas”, afirmou. “A proposta que está aí ela está andando, se pode mover apenas a idade mínima.”

Bolsonaro disse que conversou com a equipe econômica sobre a tramitação da reforma previdenciária.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela democracia)

Segundo o presidente eleito, usar a proposta atual economizaria tempo porque não seria necessário passar por todo o tempo de tramitação da matéria no Congresso. O projeto atual fala em 65 anos de idade mínima para aposentaria de homens e 62 para mulheres.

Bolsonaro disse ainda que pretende fazer novas mudanças na reforma trabalhista porque “existem direitos demais”, mas não deu detalhes do que mais pretende mudar. Questionado ainda sobre reforma tributária, afirmou que essa era uma pergunta que devia ser feita ao futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e disse não importar se a prioridade seria privatizações ou reformas.

“A ordem dos fatores não altera o produto. O que falei com equipe econômica o que queremos é um juro mais baixo uma inflação dentro dos limites, queremos aquilo que pode fazer a nossa economia andar, desburocratizar. Dei carta branca ao senhor Paulo Guedes para perseguir esse objetivo”, afirmou.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela democracia)

Bolsonaro ainda foi questionado sobre a abertura de inquérito para investigar suposto uso de caixa dois pelo futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Segundo Bolsonaro, “em havendo qualquer comprovação ou denúncia robusta contra quem quer que seja e que esteja ao alcance da minha caneta bic, ela será usada”.

MINISTROS

Bolsonaro participou nesta quarta-feira de uma cerimônia em que recebeu a Medalha do Pacificador com Palma por um ato de bravura acontecido em 1978.

Segundo o próprio presidente explicou, a ideia de condecorá-lo por ter salvado um soldado de afogamento foi aprovada pelo comandante do Exército já há algum tempo - “quando começou a se avolumar denúncias de que eu era racista”, disse. Mas, afirmou, decidiu-se esperar para que a condecoração não fosse dada durante a campanha eleitoral. O soldado salvo, Celso Moraes Luiz, que estava na cerimônia, é negro.

O presidente eleito afirmou ainda que não tem nomes certos para os dois ministérios que faltam, Direitos Humanos e Meio Ambiente, mas que tem várias indicações. A maior dificuldade estaria em encontrar o nome certo para Meio Ambiente, disse.

“Temos bons nomes para meio ambiente mas estamos procurando aquele que se adapte àquilo que eu quero: preservar o meio ambiente sem prejudicar outras atividades no Brasil”, afirmou.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela democracia)

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247