Inadimplência e provisões contra calotes disparam no Itaú

Maior banco privado brasileiro, o Itaú Unibanco, anunciou que seu lucro líquido no primeiro trimestre somou R$ 5,184 bilhões, queda de 9,58% ante os R$ 5,733 bilhões registrados em igual período de 2015, o menor desde o segundo trimestre de 2014; numa mão, o índice de inadimplência acima de 90 dias atingiu 3,9%; em outra frente, o estoque de financiamentos do banco, incluindo avais e fianças, caiu 4,8% contra o primeiro trimestre do ano passado

itau
itau (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Aluísio Alves, Reuters - Um salto nas provisões para perdas com inadimplência e receitas pressionadas devido à retração na carteira de crédito levaram o Itaú Unibanco a queda no lucro do primeiro trimestre.

O maior banco privado brasileiro anunciou nesta terça-feira que seu lucro líquido do período somou 5,184 bilhões de reais, queda ante os 5,733 bilhões em igual período de 2015, o menor desde o segundo trimestre de 2014.

Na base recorrente, o lucro somou 5,235 bilhões de reais no período, queda de 9,9 por cento sobre um ano antes. A previsão média de analistas consultados pela Reuters para esta linha era de 5,195 bilhões de reais.

Numa mão, o índice de inadimplência acima de 90 dias atingiu 3,9 por cento, ante 3 por cento em igual etapa de 2015 e o pico desde setembro de 2013.

Com a alta do desemprego e dos pedidos de recuperação judicial de empresas numa economia em forte recessão, o banco fez provisões para perdas com calotes de 6,4 bilhões de reais, alta de 38,1 por cento na base sequencial e de 43,7 por cento sobre um ano antes. O número já deduz recuperação de crédito.

Em outra frente, o estoque de financiamentos do Itaú Unibanco, incluindo avais e fianças, caiu 4,8 por cento contra o primeiro trimestre do ano passado, a 517,484 bilhões de reais. Sobre dezembro, a queda foi ainda maior, de 5,6 por cento.

A contração foi liderada pelos empréstimos para compra de veículos (-31,2 por cento), para grandes empresas (-9,8 por cento) e das pequenas e médias (-9,9 por cento), todos na comparação ano a ano.

Um efeito desse movimento foi o recuo na margem financeira, que somou 16,6 bilhões no trimestre, montante 207 milhões menor do que no trimestre passado.

As receitas com tarifas e serviços, de 7,17 bilhões de reais, avançaram 4,4 por cento na comparação com o primeiro trimestre do ano anterior, número bem abaixo da variação da inflação no período, de cerca de 10 por cento.

Por outro lado, as despesas não decorrentes de juros, que incluem pagamento de salários, somaram 10,2 bilhões de reais de janeiro a março, recuo sequencial de 8 por cento e aumento de 3,4 por cento sobre um ano antes, também abaixo da inflação.

Mas isso foi insuficiente para impedir uma baixa de 4,5 pontos no retorno sobre o patrimônio líquido anualizado, de 19,7 por cento no trimestre. Em termos recorrentes, a queda foi de 4,6 por cento do índice, que mede como um banco remunera o capital de seus acionistas.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247