Inflação da zona do euro se estabiliza

Presidente do BCE, Mario Draghi, já alertou para o risco de a inflação permanecer em uma zona de perigo abaixo de 1 por cento, mas afirmou de novo na quinta-feira que claramente não há deflação

FILE - In this July 5, 2012 file photo President of the European Central Bank Mario Draghi speaks during a news conference in Frankfurt, central Germany.  Draghi said in an interview with French daily publication Le Monde posted on the bank's website Satu
FILE - In this July 5, 2012 file photo President of the European Central Bank Mario Draghi speaks during a news conference in Frankfurt, central Germany. Draghi said in an interview with French daily publication Le Monde posted on the bank's website Satu (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRUXELAS, 28 Fev (Reuters) - A inflação da zona do euro se estabilizou em fevereiro no que o Banco Central Europeu chama de "zona de perigo", mostraram dados nesta sexta-feira, enquanto o desemprego permaneceu perto de máximas recordes antes de reunião do BCE na próxima semana.

A agência de estatísticas da União Europeia Eurostat estimou que os preços ao consumidor nos 18 países que compartilham o euro subiram 0,8 por cento neste mês na comparação anual. Essa foi a mesma taxa de janeiro e dezembro, após alcançar 0,9 por cento em novembro e 0,7 por cento em outubro.

O presidente do BCE, Mario Draghi, já alertou para o risco de a inflação permanecer em uma zona de perigo abaixo de 1 por cento, mas afirmou de novo na quinta-feira que claramente não há deflação.

Em fevereiro, os custos menores de energia compensaram os preços mais caros de bens industriais e de serviços.

As pressões de preços na economia da zona do euro são baixas, porque o desemprego permanece perto de máximas recordes. A Eurostat informou nesta sexta-feira que 12 por cento da força de trabalho do bloco estava desempregada em janeiro, inalterada ante o mês anterior.

Em termos absolutos, o número de pessoas sem emprego subiu para 19.175.000 ante 19.158.000 em dezembro.

(Reportagem de Jan Strupczewski)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email