Justiça suspende assembleia de acionistas da JBS

Assembleia de acionistas que decidiria o destino do presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, na empresa foi suspensa depois que sua família, que controla a empresa de alimentos, teve recurso aceito pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região; juíza Gisele de Amaro e França ordenou a suspensão da assembleia por 15 dias, citando necessidade de apuração sobre acusações de conflito de interesse"; holding J&F Investimentos, detida pela família Batista, afirmou que "lamenta que o BNDES tenha instaurado o caminho judicial em detrimento do diálogo

Assembleia de acionistas que decidiria o destino do presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, na empresa foi suspensa depois que sua família, que controla a empresa de alimentos, teve recurso aceito pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região; juíza Gisele de Amaro e França ordenou a suspensão da assembleia por 15 dias, citando necessidade de apuração sobre acusações de conflito de interesse"; holding J&F Investimentos, detida pela família Batista, afirmou que "lamenta que o BNDES tenha instaurado o caminho judicial em detrimento do diálogo
Assembleia de acionistas que decidiria o destino do presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, na empresa foi suspensa depois que sua família, que controla a empresa de alimentos, teve recurso aceito pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região; juíza Gisele de Amaro e França ordenou a suspensão da assembleia por 15 dias, citando necessidade de apuração sobre acusações de conflito de interesse"; holding J&F Investimentos, detida pela família Batista, afirmou que "lamenta que o BNDES tenha instaurado o caminho judicial em detrimento do diálogo (Foto: Paulo Emílio)

Reuters - Uma assembleia de acionistas que decidiria o destino do presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, na empresa foi suspensa nesta sexta-feira, depois que sua família, que controla a empresa de alimentos, teve recurso aceito pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Conforme decisão judicial divulgada nesta manhã, a juíza Gisele de Amaro e França ordenou a suspensão da assembleia por 15 dias, citando necessidade de apuração sobre acusações de conflito de interesse pelos controladores "a fim de possibilitar a análise da questão ao juízo arbitral".

As ações da JBS exibiam alta de 0,5 por cento, enquanto o Ibovespa mostrava valorização de 1,25 por cento.

O vice-presidente da da associação de acionistas minoritários Aidmin, Aurélio Valporto, presente na reunião dos acionistas, criticou a decisão que suspendeu a assembleia.

"É mais uma estranha decisão entre várias", disse Valporto à Reuters. "É evidente que o BNDES vai recorrer...Eles (família Batista) sabem que se não tiver voto do controlador eles estarão fora", acrescentou.

Em comunicado, a controladora da JBS, a holding J&F Investimentos, detida pela família Batista, afirmou que "lamenta que o BNDES tenha instaurado o caminho judicial em detrimento do diálogo". A empresa afirmou ainda que "acredita que a JBS tem tomado as medidas corretas no tempo correto".

Leia abaixo posicionamento da J&F sobre o adiamento: 

"A J&F Investimentos sempre esteve e seguirá aberta ao diálogo independentemente de qualquer decisão judicial. A Companhia lamenta que o BNDES tenha instaurado o caminho judicial em detrimento do diálogo e reitera que se mantém aberta ao entendimento que preserve os melhores interesses da Companhia. Por fim, J&F acredita que a JBS tem tomado as medidas corretas no tempo correto."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247