Levy: se meta fiscal para 2016 for zero, ficar no governo 'perde sentido'

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy disse nesta quinta (10), em reunião com parlamentares governistas da Comissão Mista de Orçamento, que sua permanência no governo "perderá o sentido" se não for aprovada para o próximo ano uma meta de superavit primário de 0,7% do PIB; nas palavras de Joaquim Levy, esta decisão faria com que 2016 repetisse, na economia, o ano de 2015, retardando a recuperação econômica brasileira e colocando em risco, inclusive, o ano de 2017

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy disse nesta quinta (10), em reunião com parlamentares governistas da Comissão Mista de Orçamento, que sua permanência no governo "perderá o sentido" se não for aprovada para o próximo ano uma meta de superavit primário de 0,7% do PIB; nas palavras de Joaquim Levy, esta decisão faria com que 2016 repetisse, na economia, o ano de 2015, retardando a recuperação econômica brasileira e colocando em risco, inclusive, o ano de 2017
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy disse nesta quinta (10), em reunião com parlamentares governistas da Comissão Mista de Orçamento, que sua permanência no governo "perderá o sentido" se não for aprovada para o próximo ano uma meta de superavit primário de 0,7% do PIB; nas palavras de Joaquim Levy, esta decisão faria com que 2016 repetisse, na economia, o ano de 2015, retardando a recuperação econômica brasileira e colocando em risco, inclusive, o ano de 2017 (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy disse nesta quinta-feira (10), em reunião com parlamentares governistas da Comissão Mista de Orçamento, que sua permanência no governo "perderá o sentido" se não for aprovada para o próximo ano uma meta de superavit primário de 0,7% do PIB.

Zerar a meta fiscal para 2016, como defende uma ala do governo e parlamentares governistas, levará o país a perder o grau de investimento das agências de classificação de risco Moody's e Fitch e a um aprofundamento da crise econômica.

Nas palavras de Joaquim Levy, esta decisão faria com que 2016 repetisse, na economia, o ano de 2015, retardando a recuperação econômica brasileira e colocando em risco, inclusive, o ano de 2017.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email