Lula defende urgência por acordos de leniência

Para o ex-presidente Lula, o governo não pode ser refém da evolução da operação Lava Jato: "Não dá para esperar toda segunda-feira e ver se mais alguém foi preso", afirmou, segundo a colunista Vera Magalhães; tema teria sido abordado na reunião com o vice-presidente Michel Temer e ministros do PMDB; ele sustentou que a Controladoria Geral da União e a Advocacia-Geral da União selem os termos de ajuste de conduta das construtoras sem esperar pelo aval do Ministério Público; o esforço para que as empreiteiras não quebrem também foi tratado em conversas entre o ex-presidente e empresários como Emilio Odebrecht

Para o ex-presidente Lula, o governo não pode ser refém da evolução da operação Lava Jato: "Não dá para esperar toda segunda-feira e ver se mais alguém foi preso", afirmou, segundo a colunista Vera Magalhães; tema teria sido abordado na reunião com o vice-presidente Michel Temer e ministros do PMDB; ele sustentou que a Controladoria Geral da União e a Advocacia-Geral da União selem os termos de ajuste de conduta das construtoras sem esperar pelo aval do Ministério Público; o esforço para que as empreiteiras não quebrem também foi tratado em conversas entre o ex-presidente e empresários como Emilio Odebrecht
Para o ex-presidente Lula, o governo não pode ser refém da evolução da operação Lava Jato: "Não dá para esperar toda segunda-feira e ver se mais alguém foi preso", afirmou, segundo a colunista Vera Magalhães; tema teria sido abordado na reunião com o vice-presidente Michel Temer e ministros do PMDB; ele sustentou que a Controladoria Geral da União e a Advocacia-Geral da União selem os termos de ajuste de conduta das construtoras sem esperar pelo aval do Ministério Público; o esforço para que as empreiteiras não quebrem também foi tratado em conversas entre o ex-presidente e empresários como Emilio Odebrecht (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em passagem por Brasília nesta quinta-feira, o ex-presidente Lula reforçou a importância de o governo acelerar os acordos de leniências de empresas investigadas na Lava Jato.

Para ele, o governo não pode ser refém da evolução da operação Lava Jato: "Não dá para esperar toda segunda-feira e ver se mais alguém foi preso", afirmou, segundo a colunista Vera Magalhães.

O tema teria sido abordado na reunião com o vice-presidente Michel Temer e ministros do PMDB. Lula sustentou que a Controladoria Geral da União e a Advocacia-Geral da União selem os termos de ajuste de conduta das construtoras sem esperar pelo aval do Ministério Público.

O esforço para que as empreiteiras não quebrem também foi tratado em conversas entre o ex-presidente e empresários como Emilio Odebrecht (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email