Lula desmascara oportunismo de Bolsonaro com queda no preço dos combustíveis e relembra valor em 2008: gasolina era R$ 2,60

Donos de postos também reagiram ao decreto de Bolsonaro exigindo que preços de antes e depois da redução do ICMS sejam exibidos nos estabelecimentos: "ação eleitoreira"

www.brasil247.com - Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, gasolina e a Petrobrás
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, gasolina e a Petrobrás (Foto: Ricardo Stuckert | REUTERS)


247 - Após Jair Bolsonaro (PL) editar decreto obrigando postos de gasolina a exibirem os preços dos combustíveis antes e depois da redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), o ex-presidente Lula (PT) foi ao Twitter escancarar a hiprocrisia do chefe do governo federal.

Ele destacou que os combustíveis estão caros no Brasil por conta da decisão da Petrobrás de dolarizar os produtos. Ou seja, as altas internacionais do petróleo são repassadas aos consumidores brasileiros. Com isso, a Petrobrás lucra cada vez mais e a renda do povo é transferida aos acionistas privados da empresa.

>>> Bolsonaristas comemoram queda temporária no preço da gasolina e internauta lembra: “antes do golpe era 3 conto”

Se o presidente da Petrobrás é quem decide sobre a política de preços da empresa e se Bolsonaro é quem indica o presidente da Petrobrás, o chefe do governo federal é, portanto, responsável direto pela alta dos combustíveis, argumenta Lula. "Bolsonaro quer que postos mostrem o ICMS ao lado do preço da gasolina. Mas quem decidiu o preço dolarizado foi o presidente da Petrobrás, escolhido por ele. Como presidente, enfrentei uma crise em 2008, o barril foi para US$ 147 e a gasolina era R$ 2,60".

Donos de postos criticam Bolsonaro

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do Distrito Federal (Sindicombustíveis-DF), Paulo Tavares, criticou ao Metrópoles o decreto de Bolsonaro, classificando-o como "ação eleitoreira".

>>> Lula critica redução do ICMS para custear subsídio dos combustíveis: 'vai jogar o peso no povo'

Ele disse se tratar de uma prática "desnecessária" e pontuou que a queda nos preços com a redução do ICMS é passageira. "Se houver um aumento nas refinarias e a Petrobrás fizer novos ajustes, [o combustível] poderá ter preços maiores. Estamos trabalhando com hipóteses. Se isso acontecer, como o consumidor vai entender? Os preços são livres e o mercado já vem transferindo as baixas para o consumidor. Não há como jogar agora a conta para o revendedor".

“É preciso reconhecer o esforço dos governadores que foram os maiores contribuintes nessa queda, com 57% de participação no total da baixa, através da renúncia fiscal do ICMS. A baixa vai perdurar e os impostos federais serão até o fim do ano, o que leva a crer que é uma atitude eleitoreira”, completou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email