Meirelles descarta intervenção no Rio de Janeiro

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira, 11, que uma intervenção federal não será decretada no Estado do Rio de Janeiro, porque os efeitos serão piores do que a solução; "Estamos fazendo o possível para que a situação do Rio seja enfrentada da melhor maneira possível", afirmou a jornalistas no Rio de Janeiro; segundo Meirelles, há a possibilidade de o Rio de Janeiro dar como garantia receitas provenientes da exploração do petróleo anos à frente

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira, 11, que uma intervenção federal não será decretada no Estado do Rio de Janeiro, porque os efeitos serão piores do que a solução; "Estamos fazendo o possível para que a situação do Rio seja enfrentada da melhor maneira possível", afirmou a jornalistas no Rio de Janeiro; segundo Meirelles, há a possibilidade de o Rio de Janeiro dar como garantia receitas provenientes da exploração do petróleo anos à frente
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira, 11, que uma intervenção federal não será decretada no Estado do Rio de Janeiro, porque os efeitos serão piores do que a solução; "Estamos fazendo o possível para que a situação do Rio seja enfrentada da melhor maneira possível", afirmou a jornalistas no Rio de Janeiro; segundo Meirelles, há a possibilidade de o Rio de Janeiro dar como garantia receitas provenientes da exploração do petróleo anos à frente (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira que uma intervenção federal não será decretada no Estado do Rio de Janeiro porque os efeitos serão piores do que a solução.

"Estamos fazendo o possível para que a situação do Rio seja enfrentada da melhor maneira possível", afirmou ele a jornalistas no Rio de Janeiro.

De acordo com Meirelles, há a possibilidade de o Rio de Janeiro dar como garantia receitas provenientes da exploração do petróleo anos à frente.

O ministro comentou ainda sobre a vitória de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos. Ele, que atribuiu a volatilidade atual nos mercados aos discursos de campanha do republicano, defendeu que é preciso aguardar o que de fato Trump fará quando substituir Barack Obama.

"Os mercados tentam antecipar o que acontecerá nos EUA, mas no governo temos que agir com tranquilidade, sem nos precipitar", disse.

Meirelles ponderou, no entanto, que o Brasil precisa estar com a economia forte o suficiente para enfrentar as mudanças no cenário internacional. "Não podemos estar em situação vulnerável."

(Por Claudia Violante)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247