Mercado prevê inflação em 4% e Selic a 8,5% este ano

Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (8), mostra que economistas consultados preveem inflação de 4,01% este ano, ao passo que para o ano seguinte saltaram de 4,30% para 4,39%; do lado do PIB, a projeção é de crescimento pífio, de 0,47%; medianas das projeções para a taxa básica de juros ao final deste ano e do seguinte foram mantidas em 8,5%, o que significa um total de cortes na Selic de 2,75% ainda neste ano

Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (8), mostra que economistas consultados preveem inflação de 4,01% este ano, ao passo que para o ano seguinte saltaram de 4,30% para 4,39%; do lado do PIB, a projeção é de crescimento pífio, de 0,47%; medianas das projeções para a taxa básica de juros ao final deste ano e do seguinte foram mantidas em 8,5%, o que significa um total de cortes na Selic de 2,75% ainda neste ano
Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (8), mostra que economistas consultados preveem inflação de 4,01% este ano, ao passo que para o ano seguinte saltaram de 4,30% para 4,39%; do lado do PIB, a projeção é de crescimento pífio, de 0,47%; medianas das projeções para a taxa básica de juros ao final deste ano e do seguinte foram mantidas em 8,5%, o que significa um total de cortes na Selic de 2,75% ainda neste ano (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Infomoney - O humor dos economistas quanto à recuperação brasileira voltou a melhorar na semana encerrada em 5 de maio, conforme mostra a mais recente edição do relatório Focus, divulgada pelo Banco Central na manhã desta segunda-feira (8).

Segundo o levantamento, a mediana das estimativas dos economistas consultados pela autoridade monetária para a inflação deste ano caíram de 4,03% para 4,01%, ao passo que para o ano seguinte saltaram de 4,30% para 4,39%.

Do lado do PIB (Produto Interno Bruto), houve mais uma pequena melhora no quadro de 2017, com as projeções subindo de crescimento de 0,46% para 0,47%. Para o ano seguinte, as expectativas seguiram em crescimento de 2,5%.

As medianas das projeções para a taxa básica de juros ao final deste ano e do seguinte foram mantidas em 8,5%, o que significa um total de cortes na Selic de 2,75% ainda neste ano. Apesar de não haver alterações nas expectativas sobre os juros, a redução nas projeções para a inflação faz com que as apostas sobre os juros reais cresçam de 4,47% para 4,49% neste ano e se mantenham em 6% em 2018.

Do lado do câmbio, a mediana das projeções manteve a cotação do dólar a R$ 3,18 ao final de 2017 e alterou de R$ 3,35 para R$ 3,34 as do ano seguinte.

Entre os cinco economistas que mais acertam em suas projeções -- o chamado "top 5" --, as expectativas para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) caíram de 3,86% para 3,85% neste ano e se mantiveram em 4,25% no ano seguinte. A Selic, por sua vez, continuou em 8,5% nos dois cenários, e o câmbio também se manteve em R$ 3,35 e R$ 3,45 em 2017 e 2018, respectivamente.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247