Metalúrgicos da GM tem audiência de conciliação na segunda-feira

Metalúrgicos da unidade de São José dos Campos da General Motors e representantes da montadora reúnem-se em audiência de conciliação na tarde de segunda-feira (17), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Campinas, interior paulista; GM anunciou, oficialmente, que demitiu 798 trabalhadores; montadora justificou que a medida foi tomada por causa do desaquecimento das vendas no setor; na segunda-feira (10), os mais de 5 mil metalúrgicos da unidade entraram em greve como forma de pressionar a empresa a rever os cortes e a reabrir negociações

Demissões na planta da General Motors em São José dos Campos Passeata de funcionários demitidos e familiares fizeram uma passeata e invadiram a rodovia Dutra.( São José dos Campos , SP , 14.08.15 Foto: Roosevelt Cássio )
Demissões na planta da General Motors em São José dos Campos Passeata de funcionários demitidos e familiares fizeram uma passeata e invadiram a rodovia Dutra.( São José dos Campos , SP , 14.08.15 Foto: Roosevelt Cássio ) (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marli Moreira, Repórter da Agência Brasil - Em meio a demissões e protestos, metalúrgicos da unidade de São José dos Campos da General Motors e representantes da montadora reúnem-se em audiência de conciliação na tarde de segunda-feira (17), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Campinas, interior paulista. Ontem (14), a GM anunciou, oficialmente, que demitiu 798 trabalhadores, no último dia 7.

De acordo com GM, após essa data não ocorreram mais cortes. A montadora justificou que a medida foi tomada por causa do desaquecimento das vendas no setor e o impacto sobre as atividades. Na segunda-feira (10), os mais de 5 mil metalúrgicos da unidade entraram em greve como forma de pressionar a empresa a rever os cortes e a reabrir negociações.

"A empresa já havia informado por diversas vezes que está passando por uma forte crise econômica e que o Complexo de São José dos Campos não está competitivo há algum tempo. As vendas caíram, os estoques estão altíssimos, temos uma fábrica de alto custo e estamos com excedente de pessoal", informa o comunicado do sindicato dos Metalúrgicos de são José dos Campos. Segundo o documento, a empresa alega enfrentar o pior momento da crise.

A montadora informa ainda que respeita o direito de greve, mas têm ocorrido excessos nos piquetes, impedindo a entrada de quem pretende trabalhar. Para a empresa, o sindicato está descumprindo determinando judicial ao barrar o acesso desses trabalhadores.

Também por meio de nota, o presidente do sindicato dos Metalúrgicos de são José dos Campos, Antônio Ferreira de Barros, o Macapá, repudiou as demissões e reafirmou o propósito de manter as manifestações.

"Temos a responsabilidade de unificar a luta com os trabalhadores das outras montadoras, contra as demissões e retirada de direitos. Vamos dizer não à redução de salários e sim à estabilidade no emprego. Se for pra cortar salário, que seja de quem está em Brasília", disse ele. Ontem, Macapá liderou uma passeata, na Rodovia Presidente Dutra, entre os quilômetros 145 e 146.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email