Ministro investigado relata caso de empreiteiras no TCU

Citado como beneficiário de propinas na Lava Jato quando era senador (PMDB-PB), o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Vital do Rêgo responde a dois inquéritos no STF e conduz ao menos cinco processos de interesse de Odebrecht e OAS; 

O novo ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo Filho, toma posse na sede do TCU em Brasília (Antonio Cruz/Agência Brasil)
O novo ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo Filho, toma posse na sede do TCU em Brasília (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Investigado na Lava Jato por suposto recebimento de “vantagens indevidas” da OAS e da Odebrecht, o ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo continua a conduzir processos de interesse das empreiteiras no TCU; Vital atua como relator, com poder para determinar os rumos das auditorias e elaborar os votos que orientam os julgamentos; a situação vem sendo questionada pelos próprios auditores e procuradores da corte de contas

As informações são de reportagem de Fábio Fabrini no Estado de S.Paulo.

"Em ao menos cinco casos, que avaliam irregularidades em contratos das empresas com a Petrobrás e outros órgãos públicos, Vital atua como relator, com poder para determinar os rumos das auditorias e elaborar os votos que orientam os julgamentos. A situação vem sendo questionada pelos próprios auditores e procuradores da corte de contas.

O ministro responde a dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) por ter sido citado por empreiteiros e delatores da Lava Jato como beneficiário de propinas quando exercia mandato de senador pelo PMDB da Paraíba. Ele nega as acusações.

Uma das investigações, aberta no ano passado, apura a suspeita de que o então congressista cobrava “pedágio” de construtoras para protegê-las na CPI Mista da Petrobrás, que ele presidia em 2014, antes de ser indicado para a corte de contas. A acusação foi feita pelo ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro.

Em depoimento, Léo Pinheiro disse ter pago, como contrapartida, R$ 1,5 milhão em caixa 2 a Vital em sua campanha para o governo da Paraíba, em 2014. O empresário entregou notas fiscais dos supostos repasses.

O ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo também disse ter tratado de pagamentos com Vital."

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247