MME: taxa extra na conta de luz não será suficiente para bancar térmicas

Segundo a secretária executiva do MME, Marizete Pereira, o governo estuda uma alternativa e descarta a possibilidade de um novo aumento na tarifa

(Foto: ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A secretária executiva do MME (Ministério de Minas e Energia), Marizete Pereira, afirmou nesta quarta-feira (14) que a bandeira tarifária de escassez hídrica, que entrou em vigor em setembro, não será suficiente para cobrir os custos da elevação da cotação dos combustíveis usados pelas usinas térmicas. A bandeira vai vigorar até abril, garantiu a secretária. 

Segundo ela, o governo estuda uma alternativa e descarta a possibilidade de um novo aumento na tarifa. A secretária explicou que as projeções de gastos com as térmicas foram frustradas diante da elevação das cotações do gás natural e do óleo diesel, usados para poupar água nos reservatórios das hidrelétricas.

"A bandeira de escassez hídrica não será suficiente para a cobertura de todos os recursos que utilizamos para a segurança energética. Os preços dos combustíveis estão subindo muito", afirmou Pereira em entrevista virtual após o Encontro Nacional do Setor Elétrico. 

PUBLICIDADE

A bandeira de escassez hídrica representa um aumento de 49,6% em relação à bandeira vermelha patamar 2. Com isso, a bandeira passa de R$ 9,49 por 100 kWh para R$ 14,20 por 100 kWh (R$ 4,71 a mais). (Com informações do jornal O Tempo). 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email