Multinacionais brasileiras demitem no país e investem no exterior

Após o golpe, que afundou o Brasil em uma crise econômica sem precedentes, multinacionais brasileiras começaram a demitir profissionais de suas operações locais, enquanto suas subsidiárias internacionais seguiram contratando; segundo estudo que será publicado nesta terça-feira (10) pela Fundação Dom Cabral, 57,7% das companhias do tipo contrataram no exterior, enquanto 61,5% delas demitiram no Brasil; foram entrevistadas 54 empresas brasileiras com atuação internacional

Michel Temer, indústria, atividade industrial .2
Michel Temer, indústria, atividade industrial .2 (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A crise econômica brasileira levou multinacionais com origem no país a demitir profissionais de suas operações locais, enquanto suas subsidiárias internacionais seguiram contratando.

Segundo estudo que será publicado nesta terça-feira (10) pela Fundação Dom Cabral, 57,7% das companhias do tipo contrataram no exterior, enquanto 61,5% delas demitiram no Brasil.

Foram entrevistadas 54 empresas brasileiras com atuação internacional.

Dessas, dois terços ampliaram suas operações no exterior no ano passado.

A professora da Fundação Dom Cabral Lívia Barakat diz que as subsidiárias no exterior permitiram a muitas empresas manter resultados sustentáveis, mesmo na crise pela qual o Brasil passa.

"Internacionalizar é uma forma de reduzir riscos. Muitas empresas, se não estavam no exterior, passaram a considerar. E, se já estavam, agora pensam em expandir."

Por outro lado, as brasileiras tiveram uma queda de 35% em suas margens de lucro no exterior em 2016. Elas caíram de 11% para 7,9% em relação a 2015, apesar de um faturamento melhor.

As informações são de reportagem de Filipe Oliveira na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247