Nigerianos se preparam para comprar até US$ 2 bi em ativos da Petrobras

Tradings Vitol e Glencore estão em negociações para apoiar financeiramente as empresas nigerianas que correm para comprar ativos de propriedade da Petrobras no país africano avaliados em até US$ 2 bilhões; dinheiro está sendo direcionado para compras de participações em dois grandes campos de petróleo no país do oeste da África; no início do mês, a estatal comandada por Pedro Parente informou o início do processo de desinvestimento de 100% por cento das ações da Petrobras Oil & Gas B.V., que possui os ativos na África

Logo da Petrobras na sede da companhia em Vitória, no Espírito Santo, Brasil 10/02/2017 REUTERS/Paulo Whitaker
Logo da Petrobras na sede da companhia em Vitória, no Espírito Santo, Brasil 10/02/2017 REUTERS/Paulo Whitaker (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - As tradings Vitol e Glencore estão em negociações para apoiar financeiramente as empresas nigerianas que correm para comprar ativos de propriedade da Petrobras no país africano avaliados em até 2 bilhões de dólares, disseram várias fontes familiarizadas com o assunto.

O dinheiro está sendo direcionado para compras de participações em dois grandes campos de petróleo no país do oeste da África, de acordo com fontes bancárias e do setor.

Os consórcios em potencial, incluindo Glencore e Vitol, oferecem aos interessados apoio financeiro que, de outra forma, seria difícil de obter diretamente por meio de bancos internacionais.

Para os comerciantes, um acordo garantiria o acesso ao petróleo de alta qualidade por muitos anos. Eles seriam então capazes de "sindicalizar" a dívida com os bancos.

No início do mês, a Petrobras informou o início da fase vinculante referente ao processo de desinvestimento de 100 por cento das ações da Petrobras Oil & Gas B.V., que possui os ativos na África, como parte de seu plano de desinvestimento para reduzir a elevada dívida.

A empresa é uma joint venture formada pela Petrobras (50 por cento), BTG Pactual E&P B.V. (40 por cento) e Helios Investment Partners (10 por cento), e o processo de venda está sendo liderado pela estatal, que tem um amplo programa de desinvestimento para reduzir sua dívida.

A companhia possui participação em dois blocos em águas profundas de classe mundial na Nigéria, onde se encontram os campos produtores de Akpo e Agbami, o campo de Egina, em fase de desenvolvimento e com o início da produção previsto para o final de 2018, além da descoberta de Preowei, que atualmente está sendo avaliada, segundo nota da Petrobras.

Os campos de Akpo e Egina são operados pela Total e o de Agbami é operado pela Chevron.

O maior comerciante de petróleo do mundo, Vitol, está examinando o apoio a vários licitantes no processo, de acordo com as fontes.

A Mercuria, trading com sede na Suíça, participou da rodada inicial de licitações, mas é improvável que continue no processo, disseram fontes.

A BP também considerou participar de um possível consórcio, mas desistiu.

Glencore, Vitol, Mercuria e BP se recusaram a comentar.

O resultado do negócio pode ser anunciado no início de maio, mas alguns participantes disseram que os ativos podem não ser vendidos em um pacote.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247