No aniversário do golpe, mais uma prova da tragédia econômica de Temer

No dia que Michel Temer completa um ano à frente do golpe parlamentar, o IBGE mostra novamente o fracasso do seu governo; volume de serviços no Brasil caiu 2,3% na passagem de fevereiro para março; em relação a março de 2016, a queda é de 5%; segundo o IBGE, os serviços acumularam perdas de 4,6% no ano e de 5% no período de 12 meses, considerando-se o volume do seto

No dia que Michel Temer completa um ano à frente do golpe parlamentar, o IBGE mostra novamente o fracasso do seu governo; volume de serviços no Brasil caiu 2,3% na passagem de fevereiro para março; em relação a março de 2016, a queda é de 5%; segundo o IBGE, os serviços acumularam perdas de 4,6% no ano e de 5% no período de 12 meses, considerando-se o volume do seto
No dia que Michel Temer completa um ano à frente do golpe parlamentar, o IBGE mostra novamente o fracasso do seu governo; volume de serviços no Brasil caiu 2,3% na passagem de fevereiro para março; em relação a março de 2016, a queda é de 5%; segundo o IBGE, os serviços acumularam perdas de 4,6% no ano e de 5% no período de 12 meses, considerando-se o volume do seto (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - O volume de serviços no Brasil caiu 2,3% na passagem de fevereiro para março. A queda ocorreu depois de uma alta de 0,4% em fevereiro e uma estabilidade em janeiro. Segundo dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgada hoje (12), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a queda em relação a março de 2016 é de 5%.

Os serviços acumularam perdas de 4,6% no ano e de 5% no período de 12 meses, considerando-se o volume do setor. Cinco dos seis grandes segmentos pesquisados pelo IBGE tiveram redução na passagem de fevereiro para março deste ano, com destaque para os serviços prestados às famílias (-2,1%).

Apenas o segmento de atividades turísticas teve crescimento (0,9%). Outros setores tiveram as seguintes quedas: outros serviços (-1,2%), transportes e correios (-1,1%), serviços profissionais, administrativos e auxiliares (-0,8%) e serviços de informação e comunicação (-0,4%).

Em relação à receita nominal, o setor de serviços teve uma queda de 1% entre fevereiro e março. Nas outras comparações, no entanto, houve altas de 1% na relação com março de 2016, 1,1% no acumulado do ano e 0,1% no acumulado de 12 meses.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247