O terremoto mais caro da história

Banco Mundial estima em US$ 235 bilhes os prejuzos privados no Japo; fundos do pas no exterior podem ser repatriados

Siga o Brasil 247 no Google News

Os prejuízos para o Japão do terremoto e do tsunami que atiingiram o país foram estimados em US$ 235 bilhões pelo Banco Mundial. Os efeitos negativos na economia serão sentidos por longo tempo. “O crescimento deve ser afetado durante os esforços de reconstrução, que poderão durar os próximos cinco anos”, registrou relatório da instituição, divulgado em Cingapura, onde acontece uma reunião de avaliação sobre os impactos da tragédia na economia regional e mundial. Essa análise aponta o terremoto como o mais caro da história. Os setores automotivo e eletrônico japonês são os mais afetados. Estão confirmados até agora 8.450 mortos.

"Neste momento, ainda não está claro como a catástrofe afetará o investimento direto japonês no exterior, mas o ritmo pode ser freado se o foco do país se voltar para a reconstrução interna”, acrescenta o texto de avaliação do Banco Mundial. O vice-ministro das Finanças do Japão, Naoko Ishii, admitiu durante o encontro de Cingapura que “é grave” o prejuízo real da economia japonesa, mas procurou manter um certo otimismo sobre o desempenho total. “A presença no PIB japonês da produção das regiões afetadas é de apenas 4%”, afirmou. “Ali não é coração industrial do país”.

Ainda não se sabe exatamente quanto dinheiro as autoridades japonesas estão injetando na economia do país, como forma de suavizar os prejuízos. O primeiro-ministro Naoto Kan disse ontem que é “improvável” que o montante seja revelado até o final do mês. O que se sabe é que o Banco Central do japão está colocando  liquidez diária no mercado financeiro, o que está garantindo o seu funcionamento em ritmo normal e sem grandes sobressaltos. Esse desempenho foi registrado pelas autoridades japoneses para sustentar a avaliação de que as coisas poderiam ser ainda piores. Há a especulação de que fundos japoneses no exterior serão repatriados como forma de ampliar o colchão de recursos a ser injetado na economia.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email