Odebrecht deve perder contratos de US$ 16 bi

Alvo maior da Lava Jato e acossada pela Justiça de diversos países latino-americanos, que contam com a colaboração do Ministério Público Federal, a empresa de Marcelo e Emílio Odebrecht deve ser varrida do mapa, perdendo contratos de US$ 16 bilhões; a tendência é que a construtora brasileira seja expulsa de países como Peru, Argentina, Panamá, Venezuela e Angola, por ter se envolvido em esquemas de pagamentos de propinas, abrindo espaço para concorrentes internacionais, especialmente da China e dos Estados Unidos; com suas obras no exterior, a Odebrecht levava centenas de fornecedores brasileiros

Alvo maior da Lava Jato e acossada pela Justiça de diversos países latino-americanos, que contam com a colaboração do Ministério Público Federal, a empresa de Marcelo e Emílio Odebrecht deve ser varrida do mapa, perdendo contratos de US$ 16 bilhões; a tendência é que a construtora brasileira seja expulsa de países como Peru, Argentina, Panamá, Venezuela e Angola, por ter se envolvido em esquemas de pagamentos de propinas, abrindo espaço para concorrentes internacionais, especialmente da China e dos Estados Unidos; com suas obras no exterior, a Odebrecht levava centenas de fornecedores brasileiros
Alvo maior da Lava Jato e acossada pela Justiça de diversos países latino-americanos, que contam com a colaboração do Ministério Público Federal, a empresa de Marcelo e Emílio Odebrecht deve ser varrida do mapa, perdendo contratos de US$ 16 bilhões; a tendência é que a construtora brasileira seja expulsa de países como Peru, Argentina, Panamá, Venezuela e Angola, por ter se envolvido em esquemas de pagamentos de propinas, abrindo espaço para concorrentes internacionais, especialmente da China e dos Estados Unidos; com suas obras no exterior, a Odebrecht levava centenas de fornecedores brasileiros (Foto: Leonardo Attuch)

247 – A decisão do procurador-geral Rodrigo Janot de criar uma força-tarefa internacional, com outros 14 países, para atuar na Lava Jato, pode ter efeitos devastadores para a Odebrecht.

É o que mostra reportagem de Renée Pereira, apontando que a Odebrecht, maior empresa brasileira de engenharia, deve perder contratos de US$ 16 bilhões no exterior.

"A crescente onda de rejeição vivida pela Odebrecht no mercado internacional põe em risco contratos de quase US$ 16 bilhões em projetos conquistados nos últimos anos. Até setembro de 2016, dois terços da carteira de obras da empreiteira tinham origem lá fora, em países como Venezuela, Angola e Panamá. Juntos, esses três países tinham mais obras contratadas com a empresa do que o Brasil", diz ela.

Esse banimento da Odebrecht também ocorre por decisão de autoridades dos Estados Unidos. "Desde que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) divulgou os dados sobre pagamento de propina da Odebrecht em cada país, a participação que antes era comemorada virou foco de turbulência e preocupação. Alguns países já ameaçaram expulsar a empresa de seus territórios e cancelaram contratos bilionários, como foi o caso do Gasoduto Sul Peruano e a concessão para construir 528 km de estrada na Colômbia."

A tendência é que a construtora brasileira seja expulsa de países como Peru, Argentina, Panamá, Venezuela e Angola, por ter se envolvido em esquemas de pagamentos de propinas, abrindo espaço para concorrentes internacionais, especialmente da China e dos Estados Unidos.

Com suas obras no exterior, a Odebrecht levava centenas de fornecedores brasileiros e Janot foi criticado por fazer com uma empresa brasileira o que os alemães jamais fariam, por exemplo, com a Siemens, que também esteve envolvida em escândalos de corrupção.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247