Para o governo, MP dos Portos é indispensável

"O governo tem clareza de que [a questão dos] portos é um nó, que é algo que está estrangulado, precisa ser redimensionado, vitalizado para poder dar fluência para entrada e saída de mercadorias para o Brasil", disse a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvati; segundo ela, a votação da Medida Provisória 595, conhecida como MP dos Portos, é inegociável para o governo

Para o governo, MP dos Portos é indispensável
Para o governo, MP dos Portos é indispensável
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Carolina Gonçalves*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A votação da Medida Provisória 595, conhecida como MP dos Portos, é inegociável para o governo. De acordo com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvati, a proposta é fundamental para o país e vai garantir melhoria do fluxo e agilidade das operações portuárias no Brasil.

"O governo tem clareza de que [a questão dos] portos é um nó, que é algo que está estrangulado, precisa ser redimensionado, vitalizado para poder dar fluência para entrada e saída de mercadorias para o Brasil", disse ela.

Depois de participar de uma reunião com líderes do governo no Senado, Ideli endossou o alerta do relator da matéria, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), segundo o qual a capacidade de negociação para a construção de um entendimento "chegou ao limite". "Se você desvirtuar tanto a MP, a ponto de ela não ter mais eficácia ou qualquer possibilidade de modificar e melhorar a situação dos portos brasileiros, então não tem necessidade de aprovar", acrescentou a ministra.

Hoje (23), durante reunião da comissão que analisa a medida provisória, Braga alertou que a aprovação de pontos sem consenso pode resultar em vetos, alterando a atual posição do governo que, segundo ele, se comprometeu a não vetar os pontos do relatório que tratam dos direitos dos trabalhadores do setor e os artigos sobre a renovação dos contratos de arrendamento, se o texto for aprovado como está pelos parlamentares.

O relatório da medida provisória deve ser votado amanhã (24) na comissão mista que estuda a matéria.

*Colaborou Sabrina Craide
Edição: Nádia Franco

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247